PCP pediu investimento nas escolas públicas e recebeu ‘silêncio’

35
visualizações

O parque escolar da região está “degradado”, diz o PCP que já reuniu com o ministro da Educação onde apontou várias escolas. “Infelizmente o Governo não prestou os esclarecimentos que se impunham”, dizem

 

- Pub -

 

O PCP mediu o pulso ao investimento nas escolas públicas no distrito de Setúbal, questionou o ministro da Educação e pediu mesmo um reforço de verba. Mas nem todas as perguntas tiveram resposta, nem houve compromisso para requalificação nem construção de pavilhões desportivos, o que leva os deputados comunistas a considerarem que existe “desinvestimento” neste sector que se está a reflectir na “degradação” do parque escolar da região.

“Necessidade de realização de intervenções de requalificação de escolas e necessidade de reforço dos equipamentos públicos”, lê-se em nota de imprensa onde o partido da ‘gerigonça’ entende que “há investimentos que não podem continuar a ser adiados e que exigem uma resposta do Orçamento de Estado para 2019”.

Neste leque investimentos integram cerca de duas dezenas de escolas do distrito, umas a serem requalificadas outras a aguardar conclusão de empreitada e uma a construir.

Na audição na Assembleia da República no âmbito da discussão da especialidade da proposta de lei do OE, o PCP lembrou Tiago Brandão Rodrigues a “necessidade de se proceder à requalificação das instalações de escolas que continuam sem qualquer solução como são a Escola Secundária Fernão Mendes Pinto (Almada), a EB 2,3 Paulo da Gama (Seixal); EB 2,3 El-Rei D. Manuel I (Alcochete), EB 2,3 Azeitão, do Bocage e Aranguez e da ES Bocage (Setúbal)”. Asseveram os comunistas que estas são escolas cujas instalações “estão bastante degradadas e que exige uma intervenção urgentemente”.

Questionaram ainda o Governo sobre a data de conclusão das empreitadas nas Escolas Secundárias João de Barros e do Monte da Caparica. “Estamos no último ano desta legislatura e a situação destas escolas ainda estão por resolver. São oito anos lectivos em que os estudantes têm aulas em contentores”.

A falta de pavilhões desportivos esteve também na agenda do PCP que enumerou a Escola Secundária de Palmela, EB 2,3 Poceirão (Palmela), Escola Secundária Manuel Martins, EB 2,3 Azeitão (Setúbal), EB 2,3 Cruz de Pau, Corroios, Pinhal de Frades e a de Vale Milhaços (Seixal).

“Infelizmente o Governo não prestou os esclarecimentos que se impunham”, criticam referindo que a única excepção foram as intervenções nas Escolas Secundárias João de Barros e do Monte da Caparica, mesmo assim “nada foi dito sobre o prazo de conclusão das obras”.

Sobre a construção da Escola Secundária na Quinta do Conde que “há muito é reivindicada pela comunidade educativa, pelas autarquias e pela população da Quinta do Conde, e sobre a qual foi aprovada uma Resolução da Assembleia da República, o Governo não diz uma palavra”, queixa-se o PCP.

Comentários

- Pub -