Operestiva quer contratar novos trabalhadores para o porto

78
visualizações

Gerentes dizem que dão preferência aos actuais estivadores mas que se estes não quiserem os 30 lugares disponíveis contratam outros

 

- Pub -

A Operestiva, empresa de trabalho portuário de Setúbal, admite que a solução para o conflito laboral que está a paralisar a movimentação de cargas naquela infraestrutura portuária poderá passar pela contratação de novos trabalhadores.

“A lei do trabalho portuário permite-nos celebrar contratos individuais de trabalho. É a livre escolha dos trabalhadores”, disse na sexta-feira, em conferência de imprensa, Diogo Marecos, gerente da Operestiva, adiantando que vai colocar anúncios nos jornais para a contratação de novos trabalhadores.

A Operestiva, empresa que assegura a contratação de trabalhadores eventuais para as empresas portuárias Sadopor e Navipor, esta última responsável pela movimentação de veículos produzidos na fábrica de automóveis da Autoeuropa, garante, no entanto, que tem preferência pelos trabalhadores eventuais que contrata habitualmente.

“Nós queremos dar preferência a estes trabalhadores [eventuais]. As condições, pelos vistos, são boas e eles reconhecem que são boas. O que nos está a separar, na nossa opinião, é só alguma falta de informação. Gostaríamos que, agora, essa informação pudesse ser mais clara e transparente e que alguns desses trabalhadores quisessem ingressar nas empresas”, disse.

Diogo Marecos referiu ainda que a proposta de trabalho, que já foi apresentada a 30 trabalhadores – mas que só dois aceitaram -, prevê o pagamento de um salário base de 1.400 euros, valor que poderá ser substancialmente superior com o trabalho extraordinário, muito frequente na actividade portuária.

Questionado pelos jornalistas, o responsável da Operestiva desvalorizou o facto de haver um grande número de trabalhadores eventuais no porto de Setúbal, salientando que se trata de uma situação comum a todos os portos, mas reconheceu que o actual rácio, de dez efectivos para 90 eventuais, já era excessivo, razão pela qual a empresa se disponibilizou para contratar de imediato 30 trabalhadores.

Diogo Marecos disse ainda que a Operestiva poderá fazer novas contratações dentro de alguns meses, se algumas das cargas perdidas devido à paralisação regressarem ao porto de Setúbal, salientando, no entanto que algumas dessas perdas poderão ser irreversíveis.

Na conferência de imprensa no Novotel, o responsável da Operestiva responsabilizou também o Sindicato dos Estivadores e Actividade Logística (SEAL) pelo conflito laboral, devido à convocação da greve às horas extraordinárias, que decorre até Janeiro de 2019, e por, alegadamente, instigar os trabalhadores eventuais a não se apresentarem ao trabalho desde o passado dia 05 de Novembro.

Os trabalhadores eventuais do porto de Setúbal, tal como o SEAL, defendem um contrato colectivo de trabalho, previamente negociado entre o sindicato e os operadores portuários.

Lusa

Comentários

- Pub -