“Somos uma terra de integração e multiculturalidade”

39
visualizações

Pedro Calado, Alto-Comissário para as Migrações marca presença no Festival “Um Só Mundo pela Tolerância”, com que a Moita assume o estatuto de concelho multicultural

 

- Pub -

No âmbito do PMIM – Plano Municipal para a Integração dos Migrantes, vários locais do concelho da Moita vão acolher, de 14 a 17 de Novembro, o Festival “Um só Mundo pela Tolerância”.

Sobre este festival, a vereadora Vivina Nunes comenta, “assinala o Dia Internacional da Tolerância, a 16 de Novembro e surge na sequência do trabalho que tem sido realizado no âmbito dos movimentos migratórios que tiveram como destino o nosso concelho e ocorrem desde a década de 1950 até à actualidade”.

O município acompanhou esses movimentos migratórios, “primeiro de comunidades vindas de diferentes pontos do país, desde o Alentejo, Norte e Beiras”. E depois, “a partir de 1970, as comunidades vindas dos países de língua oficial portuguesa”, explica a vereadora.

Um contexto que nos caracteriza como “uma terra de acolhimento, integração e multiculturalidade. Sendo a multiculturalidade para nós um ponto forte, não um ponto fraco”.

A partir destas caraterísticas multiculturais foi desenvolvido um plano municipal para migração onde o concelho da Moita é promovido como “uma ponte de partida”.

Um plano construído entre a autarquia e a Associação Cultural dos Imigrantes Moldavos – MIORITA; Associação de Solidariedade Cabo-Verdiana dos Amigos da Margem Sul do Tejo – ACVA; Centro Social O Bom Samaritano; CLDS 3G Moita “Moita Intervir para Incluir”; Fundação Santa Rafaela Maria e Protocolo RSI – RUMO. “Parceiros directos que contribuem para formar este plano de defesa da multiculturalidade”, explica Vivina Nunes. Dentro deste plano surge o Festival “Um só Mundo pela Tolerância”.

Vivina Nunes salienta que, a partir deste projecto “quebramos barreiras, porque somos todos um só, num só mundo e precisamos olhar para dentro, para acolher e integrar quem vem de fora e partilha conhecimento e cultura connosco”.

 

‘Caixa da Diversidade’ e pedagogia nas escolas

 

Vivina Nunes destaca a sessão de abertura do festival, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, Baixa da Banheira, “com um momento de esclarecimento sobre a descriminação racional pela Comissão para a Igualdade e Descriminação Racial (CICDR)” e a presença do Alto-Comissário para as Migrações, Pedro Calado.

Destaque também para um conjunto de sessões apresentadas nas escolas do concelho sobre competências para a cidadania e a apresentação de uma curta-metragem, acompanhada de um debate sobre inclusão e diversidade cultural. “Ainda no âmbito da diversidade cultural vamos explorar o projecto ‘Caixa da Diversidade’, que incide sobre a produção de conteúdos didácticos com informação sobre a cultura de diferentes nacionalidades, desde a guineense, à cabo-verdiana ou moldava”.

No dia 17, o festival encerra com a apresentação do projecto ‘Mu(n)Danças’. “Uma tarde cultural com abordagens culturais a manifestações etnográficas de Cabo-Verde até à Moldávia”, percorrendo o mundo que o município da Moita encerra.

A instalação artística ‘Mosaico Cultural’ será elaborada durante o festival em parceria com CLDS e o Fórum da Juventude. Um mural que Vivina Nunes destaca como “representativo da génese do festival”.

Comentários

- Pub -