PIMEL vai “mergulhar na história” de Alcácer do Sal

0
65
visualizações
(c) CMAS

A 28ª edição da PIMEL – Feira de Turismo e Atividades Económicas de Alcácer do Sal vai “mergulhar na história” do concelho que, este ano, está a assinalar os 800 anos de existência.

- Pub -

Animação, corrida de toiros, doçaria, exposição de gado e máquinas agrícolas, tasquinhas, concursos de doçaria e mel, colóquios, campeonato fifa playstation, batismo a cavalo, wine bar, kids cup, insufláveis e comboio turístico, são algumas das propostas previstas para um certame que se realiza entre 22 e 24 de junho.

As expetativas são elevadíssimas e partimos do principio que o tempo irá colaborar porque o programa vai ao encontro das expetativas da população, quer nos espetáculos musicais cuja variedade é de realçar, como nos 800 anos de Alcácer que é um mergulho na história desta terra milenar”, adiantou Vítor Proença, presidente da Câmara de Alcácer do Sal que destacou melhorias na organização e na “elevada participação” das associações do concelhos.

O envolvimento das associações jovens, desportivas e culturais permite-nos dizer que vai ser um grande evento”, acrescentou.

O autarca falava aos jornalistas após a conferência de imprensa que se realizou na passada segunda-feira, 11 de junho, no restaurante ‘QB – Quanto Baste’, em Alcácer do Sal e que contou com a presença do Presidente e vereação da Câmara de Alcácer do Sal, entidade organizadora, e dos presidentes do Conselho de Administração do Crédito Agrícola de Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo e da Associação de Agricultores de Alcácer do Sal.

Ao longo dos três dias, a exposição permanente, patente no pavilhão Gracieta Baião, vai dar destaque aos oitocentos anos de história do município. “O conteúdo da exposição da feira vai divulgar, de forma inédita, as imagens de pessoas ilustres de Alcácer do Sal”, desvendou Vítor Proença, dando como exemplo o cavaleiro João Branco Núncio ou o fundador do IPO, Francisco Gentil. “Trata-se de uma viagem pelo passado que vai servir para ganhar forças para o futuro promissor que esta terra vai assistir e merece”, reforçou.

Mais de 100 stands, entre expositores e tasquinhas, vão estar presentes no certame que apresenta algumas novidades no recinto, como a Tenda da Doçaria e Wine Bar. “As provas de vinho com produtos da terra foram privilegiadas este ano em detrimento dos showcookings”, anunciou o autarca que não quis adiantar o orçamento da feira.

A exposição de gado (ovinos, bovinos e cavalos) num total de quinze produtores da região e de máquinas agrícolas será reforçada este ano. “Vamos ter mais empresas agrícolas e oficinas de desgaste agrícola para a terra e nesta edição queremos cativar a juventude com atividades equestres, como as cavalhadas e gincanas no picadeiro”, adiantou o presidente da Associação de Agricultores de Alcácer do Sal.

No primeiro dia da feira, realiza-se um colóquio dedicado à produção pecuária e aos desafios que os agricultores vão enfrentar no futuro próximo: “A exportação; sanidade; biosegurança; alimentação animal e genética animal, são temas de grande importância e o concelho de Alcácer do Sal tem de olhar para a pecuária de uma maneira diferente”, explicou Francisco Vacas.

A tradicional corrida de toiros, marcada para o segundo dia da feira (sábado, dia 23), vai contar com a participação dos cavaleiros António Ribeiro Teles, Luís Rouxinol e João Moura Júnior e dos grupos de forcados de Santarém e Montemor.

Outra das novidades é a instalação de um segundo palco no recinto, por onde irão passar artistas, no período que sucede ao concerto no palco principal, e, a ‘Tenda Mundial’, um espaço dedicado aos mais pequenos, numa alusão ao Mundial de Futebol que decorre na Rússia. “Vamos instalar no recinto um ecran gigante para que a população possa assistir aos jogos da seleção portuguesa”, adiantou Vítor Proença.

O concerto inaugural, a cargo da Orquestra Jaime Batista & Amigos, “vai contar com a participação de Carla Andrino e Eládio Climaco, e será dividido em três partes em que vão ser lidos poemas sobre Alcácer do Sal, homenageados poetas do município, terá a participação especial do grupo coral e vai encerrar com Marchas Populares”, adiantou o maestro Jaime Batista, presente no encontro com os jornalistas.

O cartaz musical leva, este ano, a Alcácer do Sal a Orquestra Jaime Batista & Amigos (dia 22), o artista angolano Matias Damásio (dia 23) e a fadista de nova geração Gisela João (dia 24).

O certame inaugura na sexta-feira, dia 22 de junho, às 17h30 e as entradas na feira são gratuitas.

PIMEL divulga as atividades do concelho

Carlos Bicha, presidente da Caixa de Crédito Agrícola (CCA) de Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo, aproveitou o momento para destacar a história de Alcácer do Sal que não se esgota nos 800 anos, assinalados este ano, e nas coletividades centenárias como a PAZOA e o CCA de Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo.

“É uma honra assistir a um evento como este que vai dignificar o concelho. São 28 anos de uma feira que começou com o me e o pinhão e hoje representa todas as atividades económicas do concelho, tão importantes para a missão” do Crédito Agrícola, que há três anos se tornou parceira na organização deste certame.

Junta de Freguesia apoia o certame

O presidente da Junta de Freguesia de Alcácer do Sal, Arlindo Passos vê com bons olhos a realização de um certame que considera ser importante não só para o município como para a região. “Tem sempre interesse desde que haja uma festa como a PIMEL que atraia visitantes a Alcácer é muito positivo para os comerciantes e também para o turismo”, sublinhou o presidente da Junta de Freguesia que dá apoio logístico ao certame.

“A feira começou por ser exclusivamente do pinhão e do mel e com exposição de animais, que se foi perdendo com o tempo mas nos últimos anos tem vindo a aumentar e é com satisfação que assisto ao reforço da participação da Associação de Agricultores”, adiantou.

Para o autarca, o crescimento do certame “é positivo para mostrar o que temos de bom e para fazer negócios”, concluiu.

Inauguração sem membros do Governo

A decisão de não convidar membros do Governo para a inauguração da 28ª edição da PIMEL foi anunciada pelo presidente da Câmara de Alcácer do Sal, Vítor Proença, como um protesto pela forma como o município tem sido esquecido pelo poder central. “Temos de ter em conta aqueles que estão connosco e que têm apoiado Alcácer do Sal”, esclarece o autarca que reconhece a existência “de uma zanga com o poder político executivo”.

“Temos problemas graves neste concelho que não têm sido resolvidos pelo Governo” dando o exemplo da falta de médicos e enfermeiros suficientes, militares da GNR, um Tribunal com as devidas competências, transportes e estradas em condições.

“Tem sido pedido ao poder politico e não podemos esconder tudo aquilo que não tem sido bem feito”, adiantou o autarca que convidou para a abertura oficial da PIMEL, o presidente da CCDR Alentejo, Roberto Grilo, o presidente da ERTAR, Ceia da Silva e a apresentadora Sónia Araújo.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.