Construção da Rede de Drenagem Doméstica da Penalva já avançou

73
visualizações

A Construção da Rede de Drenagem Doméstica da Penalva, freguesia de Santo António da Charneca, já arrancou. A obra tem uma duração prevista de oito meses, podendo sofrer alguma alteração, e um valor de empreitada superior a 725 mil euros.

- Pub -

Com esta intervenção, haverá mais 334 habitações servidas por rede de drenagem de águas residuais domésticas, o que em termos de população significa, aproximadamente, um acréscimo correspondente a 705 habitantes.

A obra vai contemplar a construção de redes de colectores de águas residuais domésticas em zonas ainda não servidas por redes de esgotos, designadamente nas Áreas Urbanas de Génese Ilegal (AUGI) de Penalva Norte, Penalva Sul, Baixa de Penalva e Vila Ribeiro, assim como a ligação das mesmas ao subsistema da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Zona Industrial da Autoeuropa.

Em conferência de imprensa, realizada no Grupo Recreativo União Penalvense, o vice-presidente da Câmara Municipal do Barreiro, João Pintassilgo, vereador responsável pelo pelouro de águas e resíduos, referiu que esta é uma obra importante para o concelho e, em particular, para os habitantes da Penalva.

“As AUGI têm já uma história longa, é uma aspiração muito grande dos habitantes da Penalva e uma aspiração também da Câmara”, salientou o autarca, acrescentando que “quem já viveu muitos anos nesta situação, dos seus esgotos domésticos passarem pelas fossas, com todos os problemas ambientais daí inerentes, vai poder ver os seus filhos e os seus netos a usufruírem, dentro de muito pouco tempo, de um sistema do século XXI”.

Por sua vez, o vereador Rui Braga, responsável pelas áreas do planeamento e intervenção no espaço público, referiu, durante a sua intervenção, que além da drenagem doméstica a questão da drenagem de águas pluviais irá também ficar resolvida, visto que o município decidiu incluir no orçamento a verba para a construção das bacias de retenção.

“Os objectivos finais desta intervenção é termos um Barreiro que não tenha estas coisas chamadas AUGI, que tudo seja regularizado, que as propriedades das pessoas sejam valorizadas, que o próprio Barreiro seja valorizado e que tenhamos todos uma qualidade de vida com um nível aceitável”, reforçou o socialista, pedido aos presentes que levassem uma coisa da conferência de imprensa: “há um fim à vista, as obras começaram e nós cá estamos para apoiar. Com o pontapé de saída desta obra, nós garantimos que ela já não vai parar”.

O planeamento previsto para a obra, que terá o apoio financeiro da União Europeia, será faseado da seguinte forma: Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Norte (AUGI 14-I) – início da intervenção em Maio; Rede de Saneamento Doméstico da Baixa da Penalva (AUGI 20) – início da intervenção em Maio; Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Sul (AUGI 14-II) – início da intervenção em Junho; Rede de Saneamento Doméstico de Vila Ribeiro (AUGI 15) – início da intervenção em Agosto; e Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Norte (AUGI 14-I) – início da intervenção em Setembro.

Comentários

- Pub -