Secretário de Estado elogia exemplo do município de Palmela na protecção civil

0
55
visualizações

Mês dedicado aos bombeiros terminou em clima de desanuviamento após polémica com corporação do Pinhal Novo. Presidente da Câmara pôs ‘água na fervura’ e secretário de Estado ficou encantado com a “perfeita ligação” do município às suas três corporações de bombeiros

 

- Pub -

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O Dia Municipal do Bombeiro no concelho de Palmela, que na realidade é um mês com um programa de várias iniciativas, terminou em clima de festa, no domingo, com muitos elogios do secretário de Estado da Protecção Civil, que apontou o concelho como um exemplo nacional, e uma notória distensão na relação entre as corporações e a Câmara Municipal após a crispação gerada recentemente pelos Bombeiros de Pinhal Novo.
A sessão solene de homenagem aos bombeiros do concelho teve lugar, no Poceirão, poucos dias depois de saber-se que Palmela é dos únicos municípios do país que vai ter Equipas de Intervenção Permanentes (EIP) em todas as suas corporações de bombeiros.
O DIÁRIO DA REGIÃO revelou que, depois dos Bombeiros Voluntários de Palmela, que já têm EIP há mais tempo, os Bombeiros de Águas de Moura garantiram uma equipa e também os Bombeiros Voluntários de Pinhal Novo, embora já quase fora do limite, conseguiram entretanto a sua EIP.
Ao contrário dos Bombeiros de Águas de Moura, que fizeram atempadamente a sua “inscrição”, de acordo com a Directiva Operacional Nacional (DON) para o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2018, os Bombeiros do Pinhal Novo não formalizaram essa disponibilidade na altura certa e quase ficaram sem EIP.
Apesar de ter falhado o timing adequado, a corporação de Pinhal Novo revelou desagrado para com a corporação de Águas de Moura e até para com o município, o que gerou polémica entre estas entidades.
No entanto, ao que o DIÁRIO DA REGIÃO apurou, com a ajuda da Câmara de Palmela, o problema foi ultrapassado e o secretário de Estado da Administração Interna, José Artur Tavares Neves, aprovou a inclusão do Pinhal Novo e o respectivo protocolo foi assinado no domingo (ver caixa).
E a polémica parece ter ficado ultrapassada.
O comandante dos Bombeiros de Águas de Moura, Rui Laranjeira, ainda referiu a mágoa, dizendo que os responsáveis desta corporação, com a candidatura à EIP “ainda inspirámos outros [o Pinhal Novo]” a fazer o mesmo, lamentando a “ausência de elevação institucional”, mas ficou-se por aqui.
E depois o presidente da Câmara deitou água na fervura.
“É muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa. Temos de ser capazes de ver mais do que o acessório. Juntos somos mais fortes.”, foram algumas das frases do discurso apaziguador de Álvaro Amaro.
O autarca optou por prestar homenagem aos bombeiros “com a solenidade e dignidade devidas”, dizendo às três corporações que “estão ao nível das melhores do mundo” e que “é com extremo orgulho e reconhecimento que o município vos presta tributo”.
Antes, Álvaro Amaro já tinha vincado os feitos de Palmela em matéria de bombeiros e protecção civil, áreas em que a Câmara Municipal vai “muito para além das suas competências”.
O apoio de Palmela aos seus bombeiros foi apontado como exemplo regional e nacional, pelos representantes da Federação de Bombeiros do Distrito de Setúbal, Carlos Picado, e da Liga de Bombeiros Portugueses, Eduardo Correia, assim como pelo secretário de Estado, que apontou os casos que fazem do concelho uma “referência” na protecção civil e concluiu que existe uma ligação “estreita, perfeita”, entre o município e as suas corporações.
A Academia de Protecção Civil “é um belíssimo exemplo para o país”, disse Tavares Neves, que enalteceu também Palmela com a assinatura de um acordo em que a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) aproveita a Viatura Municipal de Protecção Civil para a projectar no plano nacional.
O governante revelou que a Câmara de Palmela foi dos municípios de que sentiu melhor acolhimento para o “choque cívico” que é o esforço nacional de prevenção contra os fogos, dizendo que por parte de Álvaro Amaro houve “sempre um propósito positivo”.
“Sentimos que aqui [em Palmela] não haveria resistência mas sim cooperação”, disse Tavares Neves.
Os Bombeiros do Pinhal Novo não se pronunciaram sobre o processo das EIP, até porque não usaram da palavra. Nos discursos oficiais, as três corporações do concelho foram representadas por António Brás, presidente da Associação de Bombeiros de Águas de Moura, anfitriã da sessão solene.
António Brás falou verdadeiramente por todas as corporações, sem sectarismo ou indirectas, agradecendo ao município o “esforço pioneiro” de criar um corpo permanente de bombeiros e ao secretário de Estado por reverter a decisão que esteve na forja de reduzir o número de efectivos desse núcleo permanente.
O presidente da Assembleia geral do Bombeiros de Águas de Moura, José Cardoso, referiu “os três últimos presidentes da Câmara de Palmela [Carlos de Sousa, Teresa Vicente e Álvaro Amaro] que permitiram que o concelho estivesse bem representado no distrito e no país com os seus bombeiros”.
Ana Teresa Vicente, agora presidente da Assembleia Municipal acrescentou que “é apanágio do concelho de Palmela ser exemplo” nesta área dos bombeiros e protecção civil.
A presidente da União de Freguesias do Poceirão e Marateca, Cecília Sousa, resumiu o Dia Municipal do Bombeiro como sendo aquele “em que verbalizamos o que sentimos todo o ano” relativamente aos bombeiros.
Os presidentes das juntas de freguesia de Palmela, Pinhal Novo e Quinta do Anjo estiveram também presentes, assim como vários vereadores e outros autarcas, entre as cerca de duas centenas de pessoas que participaram na sessão e que tornaram pequeno o auditório do Centro Cultural do Poceirão.

 

Águas de Moura e Pinhal Novo assinam EIP

Os protocolos que formalizam a instalação de uma EIP nos Bombeiros Mistos de Águas de Moura e nos Bombeiros Voluntários de Pinhal Novo foram assinados, por todos os intervenientes.
As EIP são compostas por cinco bombeiros, incluindo o chefe, em regime de permanência nos quartéis, para uma maior prontidão na resposta às ocorrências que impliquem socorro a pessoas ou bens.
No final da cerimónia, o presidente da Câmara, Álvaro Amaro, e o presidente dos Bombeiros de Pinhal Novo, José Calado, encerraram o incidente com um aperto de mão.

 

Campanha pede voluntários e sócios

A Câmara de Palmela vai promover uma campanha de sensibilização para a causa dos bombeiros no concelho. A acção que será colocada na rua em breve pede às pessoas para fazerem-se sócias da associação de bombeiros da sua localidade e para os interessados inscreverem-se como voluntários.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.