Mercado da Cruz de Pau vai ser requalificado com obras de meio-milhão

0
119
visualizações

Joaquim Santos mostrou abertura para estudar algumas das reivindicações dos comerciantes. Vendedores estão preocupados com calendário das obras mas satisfeitos por poderem continuar a trabalhar

- Pub -

A Câmara do Seixal apresentou o projecto de requalificação do Mercado Municipal da Cruz de Pau, este sábado (21). O plano inclui a ampliação e melhoramento do actual edifício, a reorganização dos espaços envolventes e a beneficiação de espaços exteriores. A empreitada já foi adjudicada e aguarda o visto do Tribunal de Contas. Vai custar 453 mil e 664 euros.

A apresentação, integrada na iniciativa Fórum Seixal – Mais Participação, Melhor Futuro, decorreu no na Escola Básica da Quinta de Santo António, e recebeu cerca de 70 espectadores. Joaquim Santos, presidente da autarquia, explicou que a requalificação do edifício foi considerada melhor quando comparada com a opção de construir um mercado noutro local. É que a deslocalização podia prejudicar os comerciantes, tendo em conta que os hábitos de compra da população seriam alterados. Assim, e com base na experiência da remodelação do Mercado de Miratejo, “a obra será feita no mesmo local e queremos que (o mercado) continue a funcionar”. Para tal, será utilizada uma tenda de forma provisória. Joaquim Santos, que sublinhou a qualidade do projecto, acredita que “quando estiver concluído, todos ficarão satisfeitos”. Quanto a José Carlos Gomes, vereador do Desporto, Empreitadas, Administração Geral e Modernização Administrativa, referiu a possibilidade da tenda ser utilizada no âmbito de outras funções e adiantou que a obra poderá ser iniciada no segundo semestre deste ano.

Em seguida, os técnicos José Cruz e Luís Caeiro apresentaram o projecto de requalificação do ponto de vista da arquitectura e das fases da empreitada. A intervenção conta dotar o mercado de acessibilidades adequadas, de instalações sanitárias de apoio a utentes e funcionários, novas bancas de venda, zona de armazenamento de hortícolas e zona de frio para o pescado. A requalificação vai incluir a reformulação do arruamento de cargas e descargas, a organização do estacionamento afeto ao armazenamento, a organização dos resíduos e o tratamento da envolvente mais próxima do edifício.

No decorrer das obras os comerciantes estarão a vender numa tenda provisória, com ligação de água, esgotos e iluminação e terão parqueamento exclusivo. Em traços gerais, o objectivo do projecto é criar melhores condições para os comerciantes e para os utentes, incentivando a realização de compras numa superfície mais comercial.

Opinião de comerciantes e moradores

Quando chegou a vez de o público ter a palavra, alguns comerciantes e moradores manifestaram dúvidas quando ao projecto e deixaram alguns conselhos. Um munícipe que mora junto ao mercado demonstrou preocupação em relação aos ruídos que poderão resultar da futura zona de refrigeração, outro falou sobre a necessidade de mais segurança nas passagens para peões e na limpeza. Um morador de Miratejo sugeriu que fosse dada uma acção de formação aos vendedores para estes poderem tirar mais proveito do novo espaço. Quanto aos vendedores, referiram falta de informação acerca do projecto no geral, desconhecimento sobre as mudanças nas lojas exteriores, preocupação com a falta de estacionamento e com a falta de sinalização indicativa do mercado. Sugeriram a instalação de um multibanco e uma alteração no período das obras, já que se estas começarem no segundo semestre, poderão ainda estar a decorrer na altura do Natal. Depois de apontar alguns aspectos que considerou negativos, uma vendedora da parte interior do mercado elogiou o facto de “não sairmos do nosso local de trabalho. É muito importante isso”.

Quanto a Manuel Araújo, presidente da Junta de Freguesia da Amora, mostrou também preocupação com a data das obras, mas não foi devido à época natalícia. Lembrou que a população da zona aumentará com a chegada dos emigrantes no Verão, altura em que o mercado terá mais procura. Manuel Araújo deixou também “o desafio para que o mercado se torne mais dinâmico”. Como resposta, o presidente da Câmara Municipal mostrou abertura para estudar com os técnicos as reivindicações que foram ouvidas, como a verificação do calendário das obras e a experimentação de equipamento que garante o bem-estar dos clientes. Foi deixada a garantia de que serão instalados equipamentos novos que obedecem à lei do ruído.

- Pub -

Queremos a sua opinião!