José Pacheco Pereira instala-se na Baía do Tejo com a Ephemera

0
232
visualizações

José Pacheco Pereira vai ser o novo “residente” do Parque Empresarial do Barreiro, onde se vai instalar com a Ephemera, um arquivo/biblioteca privado, mas que funciona como um arquivo público. Recolhe, trata, inventaria, divulga materiais sobre a história cultural, social, económica e política de Portugal e do mundo.

- Pub -

“Na consolidação do cluster de indústrias criativas e da área do conhecimento em que a Baía do Tejo tem vindo a apostar, surge mais um cliente no Parque Empresarial do Barreiro, a biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira”, revelou ao DIÁRIO DA REGIÃO fonte da Baía do Tejo.

Para além de outras instalações onde o repositório, cada vez mais extenso, de José Pacheco Pereira está presente, nomeadamente cinco quilómetros de arquivo em várias casas particulares na Vila da Marmeleira, o espaço da Ephemera na Baía do Tejo passa também a constituir-se como um polo importante na recepção, arquivo e tratamento de todo o acervo.

No Barreiro “o arquivo é constituído, não só por livros e documentos oficiais, mas também por discos, postais, selos, autocolantes, cartazes, pins e todo o tipo de artefactos que seja passível de contar as histórias que vão marcando a vida das comunidades. Nele estão incluídos documentos de diferentes países, fotografias, colecções de discos e correspondência pessoal e oficial”, adiantou a Baía do Tejo, acrescentando que “são muitos milhares de documentos, bastante diversificados”.

A chegada da Ephemera à Baía do Tejo possibilitou também uma parceria entre as duas entidades que prevê o desenvolvimento anual de, pelo menos, quatro eventos de carácter cultural, abertos e disponíveis a toda a comunidade.

A primeira iniciativa, realizada em parceria com a Porto Design Biennale, está pensada para breve, “junto ao 25 de Abril”, e será uma “exposição completamente inovadora em Portugal”. Esta mostra funcionará como uma inauguração do novo espaço como local de exposições.

Com esta parceria, a Baía do Tejo “não quer tornar o parque empresarial num parque cultural, quer sim que, para além das empresas da área da logística, dos serviços e da indústria, seja também um parque associado às áreas criativas”.

Recorde-se que, dentro do Parque Empresarial do Barreiro estão já sediados dois centros de formação, duas editoras, dois festivais de música, o Barreiro Rocks e o Out.fest, o Espaço Memória da Câmara Municipal; já foram feitas residências artísticas e, mais recentemente, foi inaugurado o maior mural jamais feito pelo artista Vhils, que também é residente neste parque empresarial.

Desta forma, a Baía do Tejo assume um papel cada vez mais interventivo junto das comunidades onde tem sediados os seus parques empresariais, nomeadamente, nos territórios Lisbon South Bay, que envolvem os concelhos de Almada, Barreiro e Seixal.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.