Choque entre dois barcos na Arrábida faz um ferido grave [actualizado]

0
494
visualizações

Pescador de Setúbal foi transportado para Hospital de S. José, com vários traumatismos. Acidente fez outros dois feridos ligeiros

 

- Pub -

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Um choque frontal entre duas embarcações de pesca, pertencentes ao porto de pesca de Setúbal, na madrugada desta segunda-feira (19), na zona da Arrábida, fez um ferido grave e dois ligeiros.

Segundo a Autoridade Marítima Nacional, o acidente entre os barcos ‘Gratidão’ e um saveiro de nome ‘João Nuno’ aconteceu pela 1h17, “no Parque Natural da Arrábida, dentro da zona de exclusão total”, acabando por provocar o afundamento da embarcação ‘João Nuno’ e ferimentos nos seus dois tripulantes.

“Os dois feridos que inspiravam mais cuidados foram retirados do local pela Polícia Marítima e transportados para a lota de Setúbal, de onde foram transportados por uma ambulância para o Hospital de S. Bernardo. Posteriormente, um dos feridos viria a ser transportado para o Hospital de S. José, em Lisboa”, revelou a Autoridade Marítima Nacional.

O ferido grave, que foi transportado ao Hospital de S. José, em Lisboa, com vários traumatismos, é o proprietário do saveiro ‘João Nuno’.

O outro barco envolvido, o ‘Gratidão’, que também navegava com dois tripulantes, apesar de ter um enorme rombo na proa, conseguiu chegar à doca de Setúbal, tendo sido rebocado por uma terceira embarcação.

“Um dos dois tripulantes da embarcação ‘Gratidão’, que foi rebocada para Setúbal, acabou também por ir ao hospital após o final do reboque, cerca das 4h00”, adiantou a Autoridade Marítima, indicando que o reboque foi efectuado através da lancha da Estação Salva-vidas de Sesimbra” e acompanhada por “meios da Polícia Marítima”.

Face ao local onde se registou a ocorrência, numa “zona de exclusão total”, a Polícia Marítima está a investigar se as embarcações estariam a pescar em local proibido. “Estão já a decorrer peritagens e os tripulantes estão a ser ouvidos no sentido de dar seguimento a este processo”, avançou a Autoridade Marítima Nacional.

O Comando-local da Polícia Marítima de Setúbal, quando foi alertado, “fez de imediato deslocar para o local uma embarcação de Alta Velocidade (EAV) e a embarcação da Estação Salva-vidas de Sesimbra”. Posteriormente, “veio a ser empenhada uma segunda embarcação de Alta Velocidade da Polícia Marítima”. O local de afundamento ficou assinalado com uma bóia.

Comentários

- Pub -