PS exige redução do IMI e revogação da taxa de Proteção Civil

65
visualizações

Paulo Lopes desafia Dores Meira para que “diga já” se vai ou não baixar IMI. Vítor Ferreira, do grupo socialista na Assembleia Municipal, dá a redução do imposto, no próximo orçamento municipal, como um dado adquirido

- Pub -

O PS de Setúbal exigiu na sexta-feira à maioria CDU na Câmara uma redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), a revogação da Taxa Municipal de Protecção Civil (TMPC) e o reembolso dos valores cobrados por esta taxa, declarada inconstitucional.

“A maioria CDU sempre justificou a aplicação da taxa máxima do IMI como uma obrigatoriedade, algo que lhes era imposto”, disse o presidente da Comissão Política Concelhia do PS, Paulo Lopes, defendendo que a autarquia sadina se deveria comprometer desde já a baixar a taxa do IMI no próximo ano.

A tomada de posição do PS surge na sequência da resposta do Governo a um pedido de clarificação apresentado pela autarquia sobre a obrigatoriedade de aplicar a taxa máxima do IMI por estar sujeita a um Contrato de Reequilíbrio Financeiro desde 2003.

O dirigente socialista Paulo Lopes, acompanhado pelo vereador Fernando Paulino, e pelo líder da bancada do PS na Assembleia Municipal, Vítor Ferreira, considerou, em conferência de imprensa, que a autarquia não estava obrigada a aplicar a taxa máxima, que já poderia ter sido reduzida há alguns anos, e defendeu que a atual maioria CDU “deve um pedido de desculpa a todos os setubalenses e azeitonenses”.

Numa carta enviada no mês passado (Fevereiro) ao município, o secretário de Estado da Autarquias locais esclareceu que “o município de Setúbal podia e pode fixar a taxa de IMI nos termos do artigo 112 do decreto-lei 287/2003, de 12 de novembro, com a redação dada pela lei 85/2017, de 18 de agosto”.

O líder do PS na Assembleia Municipal, Vítor Ferreira, dá a redução do IMI como um dado adquirido, considerando que todos os que lutaram por isso “estão de parabéns”. A proposta do PS é para uma redução gradual até à taxa mínima, com baixa para 0,40 em 2019, 0,35 em 2020 e 0,30 em 2021.

Sobre a possibilidade de reduzir o IMI, o que a maioria CDU disse até ao momento é que vai ponderar.

Este é o contexto preciso em que a Câmara Municipal de Setúbal reafirma, como sempre fez ao longo dos últimos anos, a sua vontade de ponderar, consoante a evolução das receitas e das necessidades do município o permita, alterações no valor da taxa de IMI aplicada no concelho.”, lê-se na nota divulgada pela autarquia no dia 16 de Fevereiro.

Taxa de Protecção Civil

A par da redução do IMI, o PS de Setúbal reclama a revogação da TMPC na próxima reunião do executivo municipal, bem como a apresentação de um plano de reembolso das verbas cobradas indevidamente pelo município, uma vez que a referida TMPC foi considerada inconstitucional no final do passado mês de janeiro.

“Os vereadores do PS votaram contra a proposta de regulamento da TMPC em 2011 e, no ano seguinte, sob a forma de recomendação, alertaram para as consequências da aplicação da mesma”, lembrou Paulo Lopes.

“Essa taxa representava uma sobrecarga paras as empresas de Setúbal e Azeitão”, acrescentou o dirigente socialista, considerando que a TMPC se afigurava como “um verdadeiro imposto”.

No último dia do passado mês de Janeiro, o Tribunal Constitucional considerou que a TMPC de Setúbal não podia ser considerada como uma taxa, mas como um imposto, e que, por isso, só poderia ser aprovado pela Assembleia da República.

Governo diz que Setúbal pode sair do contrato de reequilíbrio financeiro

Além de esclarecer que o município não está obrigado a cobrar a taxa máxima de IMI, o Governo diz que Setúbal já pode fazer a saída do Contrato de Reequilíbrio Financeiro.

Cumprindo o limite da divida total aferido a 21/12/2017 aquando da aprovação das contas, circunstância que parece muito provável, o Município de Setúbal poderá propor à respectiva Assembleia Municipal a suspensão do plano de reequilíbrio financeiro, situação que afastaria toda e qualquer duvida que ainda pudesse subsistir acerca da questão em análise”, refere o secretário de Estado das Autarquias Locais no mesmo oficio.

Embora esta possibilidade conste da mesma posição do governante, até agora nem a maioria CDU nem a oposição se pronunciaram publicamente sobre a saída do município do procedimento de reequilibro financeiro.

CDU responsabiliza Governo e PS acredita num acordo

A maioria CDU na Câmara de Setúbal responsabiliza a administração central por ter criado as taxas municipais para financiar as companhias de bombeiros sapadores e defende que o Governo deve ressarcir o município pelo custo de devolução da taxa.

No discurso nos 232 anos da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal, a 21 de janeiro, e na ultima reunião de Câmara, Dores Meira recordou que foi o governo de Sócrates que autorizou os municípios a criarem as taxas de Protecção Civil e lançou um apelo ao ministro da Administração Interna para debater o problema com as autarquias.

A presidente da Câmara revelou, na altura, intenção de envolver a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) na procura de uma solução juntamente com o Governo.

O PS de Setúbal concorda com essa posição da CDU, de que o Governo deve ajudar a resolver o problema. “Estamos convencidos que o Governo saberá chegar a um entendimento com a ANMP para o financiamento destas estruturas”, disse Paulo Lopes na sexta-feira.

DIÁRIO DA REGIÃO com Lusa

Comentários

- Pub -