Governo diz que autarquia pode baixar IMI em Setúbal

1
170
visualizações

Secretário de Estado das Autarquias Locais emitiu parecer em resposta à solicitação do município. Clarificação da tutela demorou mas chegou: a Câmara não está obrigada a aplicar taxas máximas de IMI. Posição agora assumida “só é possível em função das normas inscritas na Lei do Orçamento do Estado para 2018”, vinca a edilidade

- Pub -

A Câmara Municipal de Setúbal pode vir a baixar o IMI, depois de ter recebido do Governo a clarificação solicitada sobre a referida taxa a aplicar pelo município sadino. Em comunicado, a autarquia lembra que tem, nos últimos anos, “insistido, em permanência, com sucessivos governos para que seja, definitivamente, esclarecido se está ou não obrigada, no contexto da aplicação do Contrato de Reequilíbrio Financeiro a que está sujeita desde 2003, a aplicar a taxa máxima de IMI”.

A tutela veio agora clarificar a situação. “As permanentes insistências do município junto do Governo produziram, ao fim de cinco anos, resultados concretos e inequívocos. O secretário de Estado das Autarquias Locais, em resposta a mais uma das muitas cartas da Câmara Municipal de Setúbal sobre esta matéria, datada de 21 de Dezembro de 2017, esclarece que o município de Setúbal pode fixar a taxa de IMI nos termos do artigo 112.º do Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro, com a redacção dada pela Lei n.º 85/2017, de 18 de Agosto (Código IMI)”, revela a edilidade, congratulando-se ao mesmo tempo com a postura do governante.

“A Câmara Municipal de Setúbal saúda o secretário de Estado por, finalmente, ter escrito ‘preto no branco’, como sempre foi pedido, que esta autarquia não está obrigada a aplicar taxas máximas de IMI.”

O parecer do secretário de Estado das Autarquias Locais, segundo a autarquia, “diferencia-se de todos os pareceres emitidos” até à data sobre a questão. “Pela primeira vez, há um membro do Governo com a tutela das autarquias que escreve, sem margem para dúvidas, que a Câmara Municipal pode aplicar a taxa que entender, sem acrescentar que devem, no entanto, ser encontradas alternativas que maximizem as receitas municipais de forma a acomodar as exigências do Contrato de Reequilíbrio Financeiro celebrado para evitar o estado de pré-falência em que o Partido Socialista deixou a Câmara Municipal de Setúbal em 2001”, afirma o município.

‘Bicadas’ à oposição

A posição agora assumida pelo Governo só é possível, vinca a autarquia, “em função das normas inscritas na Lei do Orçamento do Estado para 2018 e de uma apreciação positiva das contas municipais”.

“O parecer emitido pelo secretário de Estado das Autarquias Locais destaca o facto de a lei do Orçamento do Estado para 2018 prever a ‘possibilidade de dispensa das taxas máximas de IMI para os municípios que demonstrarem a satisfação integral dos encargos decorrentes do Programa de Ajustamento Municipal (PAM)’, instrumento de características semelhantes às dos Contratos de Reequilíbrio Financeiro como aquele a que a Câmara Municipal de Setúbal está sujeita”, adianta o comunicado da edilidade.

A autarquia sublinha que o parecer acrescenta também que o “o ónus da manutenção de uma hipotética obrigatoriedade de aplicação de taxas máximas de IMI imporia ao município de Setúbal (que, ao abrigo de anterior regime, celebrou contrato de reequilíbrio financeiro em 2003 cujos termos estará a cumprir, de acordo com os dados disponíveis) estaria desprovido de qualquer lógica normativa (no mínimo conflituaria com o espírito) que está adjacente à redacção” da Lei do Orçamento do Estado para 2018”.

Resulta claro, no entender do município, que “apenas a redacção da Lei do Orçamento de Estado para 2018 permitiu, finalmente, ao Governo afirmar, inequivocamente, que a Câmara Municipal de Setúbal não está obrigada à aplicação de taxas máximas de IMI”, o que, acrescenta a edilidade, “contraria toda a argumentação demagógica produzida nos últimos anos, em particular pelas estruturas locais do PS e do PSD”.

A concluir, a Câmara diz-se disponível para estudar a diminuição da taxa. “Este é o contexto preciso em que a Câmara Municipal de Setúbal reafirma, como sempre fez ao longo dos últimos anos, a sua vontade de ponderar, consoante a evolução das receitas e das necessidades do município o permita, alterações no valor da taxa de IMI aplicada no concelho.”

- Pub -

1 COMENTÁRIO

  1. O “COMUNICADO” DA CÂMARA COMUNISTA DE SETÚBAL SOBRE IMI
    Há vários anos que o executivo CDU se desculpa falsamente na lei, para continuar a penalizar os munícipes com a taxa máxima do IMI, chegando ao ponto de esconder parecer da tutela que dizia o contrário.
    Depois de desmascarados, passaram ao argumento que os pareceres sucessivos da tutela (AdmLocal+Finanças) não eram esclarecedores.
    Agora finalmente depois de mais um parecer a clarificar o que sempre foi claro, emitem este convenientemente longo comunicado branqueante para ninguém ler, a justificar o injustificável, mas a terminar que o IMI não vai descer devido há grave situação financeira, agravada com 3 mandatos comunistas…. Desde 2012 que mantenho esta luta contra a hipocrisia do executivo comunista de Setúbal pela defesa da legalidade democrática… Cheguei a conseguir desmascarar e isolar a CDU na Assembleia Municipal, que foi manchete no DIário da Região e que só não se materializou, porque nas eleições de 2013 a CDU enganando de novo o povo conseguiu maioria absoluta até hoje,,

Queremos a sua opinião!