Deputados do BE questionam Governo sobre falta de profissionais de saúde no Litoral Alentejano

0
88
visualizações

Os deputados do Bloco de Esquerda Moisés Ferreira e Sandra Cunha, vão questionar o Governo na Assembleia da República sobre a falta de profissionais na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA). 

- Pub -

Após uma reunião com os elementos do Conselho Executivo da ULSLA, o deputado Moisés Ferreira defendeu que “é urgente o Governo abrir os concursos de contratação de profissionais que se especializaram há poucos meses e autorize mexer no mapa de pessoal desta ULS para que seja possível contratar mais profissionais”.

O BE escolheu a Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano e o Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém, que no ano passado reduziu o número de camas na Unidade de Convalescença e encerrou o Serviço de paliativos, para exemplificar a falta de investimento dos Ministérios da Saúde e das Finanças no Serviço Nacional de Saúde (SNS). 

“Viemos ouvir o atual conselho de administração dizer que o principal problema com que se deparam são os recursos humanos. São precisos mais profissionais, nomeadamente 62 enfermeiros em toda a ULSLA, mais médicos de especialidade, entre seis e sete médicos de medicina geral e familiar e que precisam que o Governo autorize a contratação de mais profissionais”, adiantou o parlamentar.

A deputada Sandra Cunha recordou que Setúbal é um dos distritos mais afetados pela falta de médicos de família, agravada pela dispersão geográfica e pelo envelhecimento da população. “As queixas dos utentes vão-se acumulando e tanto em Santiago do Cacém como noutros concelhos do distrito de Setúbal referem-se basicamente à falta de recursos financeiros que permitam dotar todas estas estruturas de médicos, enfermeiros e assistentes operacionais”, realçou.

Estamos preocupados pela forma como o Governo tem estado a encarar o SNS e a forma como os Ministérios da Saúde e das Finanças têm estado a privilegiar os défices em vez dos serviços públicos e a privilegiar os resultados perante Bruxelas em detrimento dos utentes e é obvio para toda a gente que o SNS precisa de mais investimento”, sublinhou Moisés Ferreira que anunciou um conjunto de iniciativas que o BE vai levar à Assembleia da República na próxima semana.

Vamos exigir a abertura imediata de concursos para a contração de médicos especialistas e que o Governo mexa no mapa de pessoal desta Unidade Local de Saúde de forma a poderem ser contratados o número de profissionais necessários”.

ULSLA precisa de viaturas para cuidados ao domicílio

A aquisição de “cerca de dez viaturas” para cuidados médicos ao domicílio foi outra das preocupações transmitida pelo CA da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano aos deputados do Bloco de Esquerda.

“Todos sabemos que nesta região, tendo em conta a dispersão geográfica, a idade e o perfil de saúde das pessoas, é preocupante a falta de viaturas que permitam a deslocação dos profissionais de saúde aos domicílios. Isto é preocupante tendo em conta que o Governo se comprometeu com o BE há mais de um ano a resolver este constrangimento”, lembrou Moisés Ferreira que não entende porque razão o Governo gasta quantias avultadas em serviço de táxis para transportar os profissionais médicos. 

“Todos os anos percebe-se que o Estado anda a gastar dezenas de milhares de euros em serviço de táxi para fazer deslocar os médicos aos domicílios para atender a urgências quando esse dinheiro podia ser utilizado na aquisição das viaturas e no entanto mantém a decisão de não autorizar “, acrescentou.

Estamos a falar de cuidados primários e de pessoas que não conseguem sair de casa e se não houver forma dos médicos chegarem a essas pessoas, elas ficam sem cuidados de saúde”, realçou Moisés Ferreira que pretende interceder junto do Governo de forma a que “esta situação seja desbloqueada”, concluiu. 

Os deputados fizeram- se acompanhar por elementos da comissão concelhia de Santiago do Cacém do Bloco de Esquerda e da Coordenadora Distrital do BE. O presidente do Conselho de Administração da ULSLA não prestou declarações aos jornalistas.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.