Setúbal recorda 265.º aniversário do nascimento de Luísa Todi

0
92
visualizações

Uma evocação com cerimónia simbólica de deposição de flores na glorieta dedicada a Luísa Todi, em Setúbal, assinalou na manhã desta terça-feira os 265 anos do nascimento da cantora lírica setubalense

 

- Pub -

A cerimónia de comemoração do aniversário da artista setubalense conhecida internacionalmente como uma das maiores vozes do século XVIII, junto do monumento localizado na Avenida Luísa Todi contou com uma homenagem da parte da Câmara de Setúbal, representada pelo vice-presidente do executivo, Manuel Pisco, que depôs uma coroa de flores.

“Apesar da chuva não podíamos deixar de fazer esta homenagem, que demonstra a admiração que temos por um dos maiores símbolos da nossa terra e da nossa cultura”, frisou. O vereador garantiu ainda que a autarquia irá manter esta tradição de grande significado, que é o de “preservar a memória da cidade”.

O evento contou com a deposição de flores por Francisco Borba, presidente da LASA – Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão, Quaresma Rosa, membro da direcção da UNISETI – Universidade Sénior de Setúbal, Rui Canas, presidente da União de Freguesias de Setúbal.

Para homenagear Luísa Todi, estiveram ainda presentes Nuno Costa, presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião, Isabel Gomes, coordenadora do Inatel de Setúbal e Yolande Cloetens, 2ª secretária da Assembleia Municipal de Setúbal. O Centro de Estudos Bocageanos também se associou à iniciativa de deposição de flores na glorieta.

Luísa Rosa de Aguiar nasceu em Setúbal, na actual Rua da Brasileira, no Bairro do Troino, a 9 de Janeiro de 1753, estreando-se no mundo do espectáculo como actriz, em Lisboa, cidade para onde foi viver com os pais. Após conhecer Francesco Saverio Todi, violinista de origem italiana, com quem veio a casar com apenas 16 anos, encetou uma carreira que a tornou a maior cantora lírica portuguesa de sempre, alcançando êxitos nas principais salas europeias, em Londres, Paris, Berlim, Turim, Varsóvia, Veneza, Viena e São Petersburgo.

A cantora faleceu em Lisboa a 1 de Outubro de 1833, com 80 anos, cega, devido a uma doença que tinha desde nova.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.