Bruno Vitorino acusa o ministro de ter mentido no caso dos pagamentos à RUMO

0
34
visualizações

O deputado do PSD, Bruno Vitorino, diz que o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, mentiu quando prometeu que os pagamentos em atraso à Cooperativa de Solidariedade Social RUMO, relativamente a 2017, seriam regularizados no prazo de uma semana, pois tal ainda não aconteceu.

“Passados mais de 20 dias da promessa feita pelo governante, a instituição RUMO continua à espera que sejam devolvidas essas verbas, alegadamente por questões burocráticas”, revela o social-democrata.

- Pub -

“O ministro mentiu. Mais uma vez a palavra dada não é honrada. Até agora não há uma resposta concreta sobre este assunto e a RUMO já alertou que não irá conseguir cumprir com as suas obrigações fiscais, nem executar as despesas dos projectos até ao dia 31 de Dezembro de 2017, o que pode colocar em causa o futuro da instituição”, acrescenta o deputado.

Esta é uma situação que também atinge colaboradores, formandos e fornecedores, pois a instituição não consegue assegurar os pagamentos.

“Todos aqueles que dependem da RUMO, e são muitos, estão em risco de passar um Natal muito complicado, pois estão a enfrentar graves dificuldades financeiras. Quase uma centena de pessoas com salários em atraso há meses. São também dezenas de formandos, muitos deles carenciados, que não recebem, desde Outubro, a bolsa que lhes foi prometida e a que têm direito. Isto revela total insensibilidade social por parte do Governo”, disse.

Bruno Vitorino exige que o ministro cumpra a sua promessa, pois este processo põe em risco a instituição. O fim da actividade da RUMO irá afectar mais de 6000 pessoas em situação de desvantagem ou exclusão, impedir o acompanhamento de 1500 pessoas por ano com incapacidade ou deficiência, bloqueando a formação e inserção no mercado de trabalho de centenas de pessoas.

Comentários

- Pub -