Carlos Humberto eleito primeiro-secretário da Comissão Executiva Metropolitana de Lisboa

81
visualizações
O ex-presidente da Câmara Municipal do Barreiro Carlos Humberto foi eleito primeiro-secretário da Comissão Executiva Metropolitana de Lisboa e toma posse amanhã, anunciou hoje a Área Metropolitana de Lisboa.

Em comunicado, a Área Metropolitana de Lisboa (AML) refere que a lista aprovada para a Comissão Executiva Metropolitana de Lisboa vai tomar posse pelas 16h00 de quarta-feira, nas instalações da AML.

- Pub -

A lista eleita é composta por Carlos Humberto (ex-presidente Câmara Municipal do Barreiro – CDU), João Pedro de Campos Domingues (antigo vice-presidente da Câmara Municipal de Loures – PS), Filipe Eduardo Miranda Ferreira (antigo autarca da Amadora – PSD), Emanuel de Jesus Colaço Costa (técnico superior da Administração Local e ex-deputado municipal no Montijo – PS) e por Carlos Alberto Picanço dos Santos (antigo vereador da Câmara Municipal da Moita – CDU).

As 18 assembleias municipais da AML (Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira) reuniram na segunda-feira, em simultâneo, para proceder à votação da lista ordenada dos candidatos a membros da Comissão Executiva para o mandato 2017-2021.

“Do apuramento geral efectuado hoje, dia 12 de Dezembro, a lista foi eleita, tendo reunido a maioria dos votos favoráveis nas 18 assembleias municipais, sendo que os votos favoráveis representam 71,59% dos eleitores da Área Metropolitana de Lisboa”, explica o comunicado da AML.

A Comissão Executiva Metropolitana é o órgão executivo da área metropolitana.

Na primeira e única vez em que se realizou esta eleição (nas autárquicas de 2013), o Conselho propôs uma lista encabeçada por Maria da Luz Rosinha, que não foi aprovada na primeira eleição. Substituiu depois a lista de Maria da Luz Rosinha (PS), antiga presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, por uma outra encabeçada por Demétrio Alves, que foi aprovada.

Lusa

Comentários

- Pub -