Comunidade portuária debate futuro do porto de Setúbal

Local C Últimas Últimas C

Terminais portuários estão abaixo da capacidade mas nova ferrovia faz do porto sadino o mais próximo de Madrid. Turismo é apontado como um dos sectores de crescimento. Dores Meira diz que Câmara e APSS “estão a desenvolver o trabalho necessário para a abertura do concurso de concessão” da futura marina

 

O futuro de Porto de Setúbal esteve em debate esta quarta-feira, na conferencia “Porto de Setúbal – Uma solução para a região de Lisboa, Mais Capacidade, Maior Competitividade”, organizada pela Comunidade Portuária de Setúbal (CPS) e que contou com a presença da presidente da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS), Lídia Sequeira, e da presidente da Câmara de Setúbal, Dores Meira.

“O porto de Setúbal tem a vantagem competitiva de se localizar junto do maior centro de consumo do país e um dos maiores da própria Península Ibérica, além de estar próximo de um importante centro industrial. Estas são características de uma riqueza ímpar”, frisou Lídia Sequeira.

Porfírio Gomes, presidente da CPS sublinhou que “o porto de Setúbal tem capacidade de resposta em todos os segmentos de carga”, embora “a capacidade dos terminais esteja com uma baixa taxa de ocupação, tendo sido identificados os acessos ferroviários e outros actualmente existentes como limitativos do seu desenvolvimento”.

Os participantes no encontro defenderam, de forma geral, que, para que o porto Sadino, que actualmente é o quarto maior do país, possa aumentar a sua actividade precisa de melhor ligação ferroviária e de apostar noutras áreas, como o turismo.

A presidente da APSS recordou que a ligação ferroviária, em construção, “em termos práticos, irá fazer do porto de Setúbal o porto nacional mais perto de Madrid” e frisou que a capacidade de expansão do porto “tem de ser explorada”.
“O lazer e o recreio têm um papel fundamental no desenvolvimento deste porto, pelas características únicas que o Estuário do Sado apresenta”, disse Lídia Sequeira.

A presidente da Câmara defendeu o desenvolvimento da cidade em harmonia com o porto, através da parceria entre autarquia e APSS em projectos concretos e revelou que as duas entidades “estão a desenvolver o trabalho necessário para a abertura do concurso de concessão” da futura marina, na zona onde está actualmente o Clube Naval Setubalense.

Maria das Dores Meira pediu o apoio da Comunidade Portuária de Setúbal para ajudar a sensibilizar a IP – Infraestruturas de Portugal para a necessidade da obra de requalificação do nó das Fontainhas, que serve de entrada na cidade e também como ponto de acesso à zona industrial da Mitrena.

A presidente da Câmara Municipal deixou ainda uma mensagem dirigida ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas, “para a necessária visão integrada entre as obras ferroviárias programadas para servir o porto de Setúbal e a coerente e adequada reformulação do viaduto e da passagem de nível existentes”.

Deixe uma resposta