Assalto em Almada acaba com mulher morta em Lisboa, por engano da polícia

Regional B Sociedade C Últimas C

Inspecção da Administração Interna abriu inquérito à morte de mulher em perseguição policial. PSP diz que carro baleado “aparentava” ser a viatura dos suspeitos de terem rebentado um multibanco em Almada

A Inspecção Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para apurar em que circunstância ocorreu a morte de uma mulher durante uma perseguição policial esta quarta-feira, em Lisboa, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

“A Inspeção Geral da Administração Interna determinou a abertura de um inquérito para apuramento dos factos relacionados com a ocorrência que teve lugar na madrugada de hoje, da qual resultou a morte de uma cidadã na sequência de uma intervenção policial”, refere o MAI, em comunicado.

Numa nota divulgada pouco antes, a PSP informou ter determinado a instauração de um processo de averiguações para apurar as circunstâncias da morte da mulher, baleada acidentalmente.

O Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP diz, em comunicado que, às 03:05, no Pragal, concelho de Almada (distrito de Setúbal), ocorreu um furto por arrombamento, pelo método de explosão, a uma caixa multibanco, após o qual os assaltantes se colocaram em fuga na direcção de Lisboa.

“Na Segunda Circular, em Lisboa, no sentido Benfica-Sacavém, foi detetada uma viatura suspeita com as características correspondentes à viatura usada no furto. Os suspeitos que se faziam transportar na viatura, ao detetarem a presença policial, encetaram, de imediato, fuga na direção da Rotunda do Relógio, circulando em diversas vias a alta velocidade e em contramão, colocando em perigo todas as pessoas que ali se encontravam”, explica o Cometlis.

Já nas imediações do Aeroporto Humberto Delgado, refere a nota, “foram efetuados por parte dos suspeitos diversos disparos com arma de fogo contra os agentes da PSP que os perseguiam, ao que estes ripostaram, igualmente recorrendo a arma de fogo”.

Pelas 03:35, na zona da Encarnação, foi detectada por elementos policiais “uma viatura que aparentava corresponder às características da viatura suspeita, cujo condutor desobedeceu à ordem de paragem”, segundo o Cometlis.

“Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo. Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido interceptada pouco tempo depois”, relata o comunicado.

A bordo seguiam o condutor e uma mulher “ferida por impacto de projéctil de arma de fogo”, que acabaria por morrer no local.

“O homem que conduzia a viatura foi detido por condução sem habilitação legal, por desobediência ao sinal de paragem e por condução perigosa”, indica o Cometlis, sublinhando que a Polícia Judiciária foi “de imediato” chamada ao local.

A PSP “lamenta a morte da cidadã envolvida na ocorrência”.

Fonte policial disse anteriormente à Lusa que o condutor detido deverá ser ouvido pela Polícia Judiciária, que tomou conta da ocorrência, e que os alegados assaltantes – que seriam pelo menos dois – não foram ainda identificados.

Fonte ligada à investigação adiantou também anteriormente à Lusa que, até ao momento, “não há nenhum elemento que ligue directa ou directamente” a vítima (sentada ao lado do condutor) aos alegados assaltantes.

Lusa

4 comments

  1. Alguns comentário , como já é normal, roçam a ignorância e até a estupidez !!! INFORMEM-SE SOBRE AS REGRAS DE UTILIZAÇÃO DAS ARMAS POR PARTE DOS AGENTES POLICIAIS (PORTUGAL!) e ser forem educados verão que que a “resposta” por parte da polìcia está correcta !! Paz à sua alma !! Mas mais uma vez os noticiadores ventilam a violência !! Porquê a definição mulher brasileira ??!?! è mais ou menos importante que uma chinesa ?!?! Ou que uma Portuguesa ?!?!

  2. A Imprensa brasileira já está condenando a polícia de Portugal,assim como condenam a nossa polícia.Assim q vi a notícia na midia do Brasil q costuma postar muita Fake News,fui procurar a vdd.Realmente não foi como a mídia brasileira está contando.Assim como o caso da espanhola q foi morta no Rio de Janeiro não foi como a mídia brasileira postou.Assim como em Portugal,o carro q a espenhola se encontrava,se negou a parar por ordem da polícia, q fazia um cerco policial onde ja haviam sido baleados dois policiais.Triste pela perda de uma vidas,mas não podemos culpar os policiais.

  3. Uma grande coincidência: duas viaturas da cor preta a fugir da polícia no mesmo local e no mesmo momento por diferentes razões… se é verdade, foi, de fato, uma grande coincidência… difícil acreditar, mas, enfim, não é impossível acontecer

  4. Engraçado.. pq os meios de comunicação não falam da extensa ficha criminal do condutor? ..vários crimes em Portugal e no estrangeiro.

Deixe uma resposta