ATLETISMO: Juízes Samuel Lopes e Rui Loução certificados mundialmente

Desporto B

Foi no passado fim-de-semana de 21 e 22 de Outubro em Londres que os juízes Samuel Lopes e Rui Loução, da Associação de Atletismo de Setúbal, obtiveram aprovação na certificação de ITOs Nível III da IAAF – certificação máxima a nível mundial no ajuizamento de atletismo. Após os excelentes resultados, Samuel Lopes e Rui Loução foram então convidados a integrar o Painel de ITOs da IAAF.

No caso de Samuel Lopes, esta é já a quinta certificação nível III, tendo já participado em honrosas competições como os Jogos Olímpicos de Londres em 2012 e do Rio de Janeiro em 2016.

Entretanto, a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) anunciou a composição do painel de Oficiais Técnicos Internacionais para o quadriénio 2018-2021. A novidade para o novo quadriénio é a redução do painel de 48 para 37 elementos, o que permitirá um maior número de atuações dos oficiais que irão desempenhar funções de Árbitro e Júri de Apelo em Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos.

Dos resultados dos exames realizados em Londres, no passado mês de Outubro, e como aconteceu nos últimos dois painéis, Portugal mantém quatro juízes na categoria mais elevada a nível Mundial, havendo apenas uma alteração. Fazem assim parte do painel:
– Jorge Salcedo, juiz de Atletismo do Conselho de Arbitragem de Lisboa, no painel da IAAF desde 1984

– Samuel Lopes, juiz de Atletismo do Conselho de Arbitragem de Setúbal, no painel da IAAF desde 2002 e no da EAA desde 1999

– António Costa, juiz de Atletismo do Conselho de Arbitragem de Portalegre, no painel da IAAF desde 2010 e no EAA desde 2006

– Rui Loução, juiz de Atletismo do Conselho de Arbitragem de Setúbal, que entra pela primeira vez no painel da IAAF e que está no painel da EAA desde 2014.
No painel onde cada país só pode ter três representantes, Portugal e Espanha conquistam quatro lugares cada, fator justificado pela IAAF com a qualidade dos resultados obtidos pelos Oficiais Ibéricos, não só nos exames a que foram sujeitos, mas também na avaliação do seu desempenho em competições onde atuaram.

Deixe uma resposta