A verdade a que temos direito! Por um melhor serviço público de saúde

Opinião
Nuno Cavaco

Nuno Cavaco

Militante do Partido Comunista Português
Nuno Cavaco

O comportamento eleitoralista do PS Moita que em Setembro, na véspera das eleições autárquicas, anunciou a colocação de mais 7 médicos nos centros de saúde do concelho da Moita, 5 médicos no centro de saúde da Baixa da Banheira e 2 médicos no centro de saúde da Moita, o que não se verificou tendo apenas sido colocado 1 médico na Baixa da Banheira, merece a condenação da população. Aliás, o PS prometeu colocar 18 médicos ao serviço das populações do Arco Ribeirinho Sul (Barreiro, Alcochete, Moita e Montijo) e só houve colocação de 8 médicos. Prometeu na campanha eleitoral fazendo sair notícias na comunicação social e distribuindo comunicados à população com o claro objectivo de recolher apoio e votos até porque passadas semanas de conhecermos o resultado do concurso não tomou qualquer posição. Lamento com repúdio as falsas informações que o PS Moita transmitiu à população sobre o processo de construção do novo centro de saúde da Baixa da Banheira onde afirmou que a Câmara Municipal da Moita já tinha recebido o projecto de arquitectura enviado pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e que, esta entidade, o tinha na sua posse desde o inicio de Setembro, o que é inequivocamente falso e que novamente deve merecer a condenação de toda a gente de bem.
Estou convicto de que enganar o povo não é caminho e que não vale tudo por meia-dúzia de votos. Estes malabarismos feitos para recolher benefícios não são acompanhados por uma assunção de responsabilidades. Recordo que o Partido Socialista foi governo por muitas vezes e só não resolveu estes problemas porque assim não o entendeu, votando até contra a construção do novo centro de saúde da Baixa da Banheira por mais do que uma dezena de vezes.
Há que continuar a luta ao lado da população por um melhor Serviço Nacional de Saúde que sirva com qualidade o concelho da Moita pois é a única forma de alcançar aquilo que está definido na constituição como direito fundamental, o direito à saúde, para todos e com qualidade.
A luta continua!

One comment

  1. O ACES Arco Ribeirinho garante a prestação de cuidados de saúde primários à população dos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo.

    Estes quatro concelhos da Península de Setúbal, que se distribuem por uma área de 559,98 Km2, têm, segundo os dados do Censos de 2011, uma população residente de 213.584 habitantes.

    O ACES Arco Ribeirinho dá resposta a 221.463 utentes inscritos frequentadores, dos quais, cerca de 21% não tem médico de família, e compreende as seguintes unidades funcionais:

    – 6 Unidades de Saúde Familiares (USF)
    – 7 Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP)
    – 4 Unidades de Cuidados na comunidade (UCC)
    – 1 Unidade de Saúde Pública (USP)
    – 1 Unidade de Recursos Assistenciais partilhados (URAP)

    Atualmente colaboram 409 trabalhadores, dos quais 1 diretor executivo, 105 médicos, 127 enfermeiros, 2 técnicos superiores de saúde, 9 técnicos superiores do regime geral, 19 técnicos de diagnóstico e terapêutica, 102 assistentes técnicos, 2 técnicos de informática e 35 assistentes operacionais.

Deixe uma resposta