Inês Medeiros promete nova atitude na Câmara de Almada [galeria de fotos]

Local C Regional Últimas B

Nova presidente socialista deve fazer aliança com PSD que tem dois vereadores. Na tomada de posse afirmou que a partir de agora Almada é a sua “única prioridade” e apresenta como “prioridades estratégicas” a reabilitação, mobilidade, turismo e higiene e limpeza

Este slideshow necessita de JavaScript.

A nova presidente da Câmara Municipal de Almada, que tomou posse este sábado (28) promete uma “nova atitude política” na gestão da autarquia e uma presidência de proximidade, com “presidenciais abertas”, inspiradas em Mário Soares, todos os meses, pelas diversas freguesias do concelho.

Inês de Medeiros, eleita pelo PS, apresentou, como “prioridades estratégicas”, as áreas da reabilitação, mobilidade, turismo e higiene e limpeza.

Promete, em concreto, “liderar a reabilitação” do Cais do Ginjal e da Margueira, estender essa “dinâmica de reabilitação” à Almada velha, Trafaria, Romeira, Cova do Vapor e Costa da Caparica. Para fazer da costa um “polo turístico da Região de Turismo de Lisboa” vai lançar o programa ‘Costa todo o ano’.

No domínio da mobilidade, pretende aproveitar a oportunidade de novos concursos, no final dos actuais da Fertagus e Transportes Sul do Tejo (TST) em 2019, para introduzir um novo sistema tarifário que integre comboio e autocarro, a extensão da linha do norte a Roma/Areeiro até ao Oriente e ligar a linha do sul à linha do Sado.

Quanto a higiene urbana, diz que Almada pode e deve garantir uma “maior qualidade” dos serviços municipais. Um compromisso que reafirmou “como presidente da Câmara Municipal”.

Inês Medeiros afirma querer uma presidência de proximidade, às pessoas e aos seus problemas, e fazer uma cidade mais solidária, inclusiva e acessível.

Para isso aponta a criação dos programas de arrendamento inter-geracional “a baixo custo”, para estudantes universitários e idosos, e ‘Cuidar de quem precisa’, para apoio domiciliário e às famílias. Promete ainda uma rede de “flexibus” para transporte dos mais isolados entre as freguesias, e “trazer á discussão pública” medidas de combate ao abandono escolar como a promoção do estudo acompanhado, troca gratuita de manuais e criação de um sistema de incentivos e bolsas de estudo para jovens de famílias de baixos rendimentos.

Na relação com o movimento associativo, a nova maioria vai elaborar um regulamento municipal de apoio, com “critérios de avaliação” e “métricas de execução” que “valorizem a actividade regular das associações”, para “maior eficácia e transparência”.

A presidente socialista promete ainda promover um “verdadeiro orçamento participativo”, dotado de uma “verba anual relevante” e criar uma agência para o desenvolvimento. Para primeira medida, Inês Medeiros, revelou pretender assinar “ainda hoje” o despacho para a construção de uma rampa de acesso a pessoas com mobilidade reduzida que prometeu, durante a campanha, no espaço jovem do Bairro Amarelo.

 

Uma no cravo outra na ferradura relativamente ao PCP

Nas referências que fez aos 41 anos de poder comunista em Almada, Inês Medeiros elogiou, claramente, e criticou, implicitamente.

“Temos consciência dos progressos conseguidos nestes mais de 40 anos de democracia, e não esquecemos a quem devemos esses progressos, ao PCP. E por isso com a mesma frontalidade, sem qualquer dogmatismo, também somos forçados a reconhecer que o modo de governar, que tão importante foi nos anos 80 e 90, nos momentos mais duros do nosso concelho, é hoje um modelo esgotado.”, disse.

Para a nova presidente, a Câmara Municipal não é “uma mera provedoria dos cidadãos junto do poder central.

Relativamente aos demais partidos, Inês Medeiros não fez referências.

Quanto à governabilidade, a autarca não revelou nada. O PS ganhou com maioria relativa, tem o mesmo número de vereadores que a CDU, pelo que precisa de mais dois vereadores para assegurar a maioria absoluta. Ao que o DIÁRIO DA REGIÃO apurou, Inês Medeiros vai governar com o PSD, distribuindo pelouros pelos vereadores social-democratas, Nuno Matias e Miguel Salvado (na foto abaixo).

 

José Joaquim leitão preside à Assembleia Municipal

Logo após a tomada de posse, realizou-se a primeira reunião da Assembleia Municipal, que elegeu os três membros do órgão para o novo mandato. O socialista José Joaquim Leitão foi eleito presidente, substituindo o comunista José Manuel Maia no cargo. Para secretários foram eleitos Paulo Viegas (PS) e Ana Paula Silva (PS). Esta lista obteve 23 votos. Uma segunda lista, apresentada pela CDU, teve 14 votos. Houve um voto em branco.

 

Vitorino de Almeida, Maria de Medeiros e Eduardo Lourenço presentes

Entre as muitas centenas de pessoas que sobrelotaram o Teatro Joaquim Benite – literalmente, com pessoas sentadas nas escadas e ainda cerca de duas centenas fora da sala, no recinto de entrada, assistirem por vídeo interno – estiveram presentes figuras nacionais.

O pai e a irmã da nova presidente, maestro António Vitorino de Almeida e atriz Maria de Medeiros, o filósofo Eduardo Lourenço e os governantes Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, e António Mendes, secretário de Estado e líder distrital do PS, foram alguns dos presentes.

A secretária-geral-adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, e as deputadas Euríce Pereira e Ana Catarina Mendes também compareceram.

 

VEREADORES ELEITOS

Francisca Parreira, João Couvaneiro e Teodolinda Silveira (PS), Joaquim Judas, José Manuel Gonçalves, Amélia Pardal e António Matos (CDU), Nuno Matias e Miguel Salvado (PSD) e Joana Mortágua (BE)

Deixe uma resposta