Eleitos para os órgãos autárquicos tomam posse em Sines

Local B Regional B Últimas B Últimas C

Os eleitos para os órgãos autárquicos do concelho de Sines, em resultado das eleições do passado dia 1 de outubro, já tomaram posse para o novo mandato que termina em 2021.

Helga Nobre

Depois das assembleias de freguesia, no final da semana passada, foi a vez do executivo municipal, que vai gerir os destinos de Sines nos próximos quatros anos, tomar posse numa cerimónia que se realizou no auditório do Centro de Artes de Sines, no último sábado. O novo elenco governativo para a Câmara Municipal, liderado por Nuno Mascarenhas (PS), fica composto pelos vereadores Fernando Ramos (PS), Filipa Faria (PS), Hélder Guerreiro (CDU), José Ferreira Costa (SIM), José Manuel Arsénio (PS) e Sofia Araújo (PS).

Na cerimónia foram empossados 21 deputados eleitos para a Assembleia Municipal (13 do Partido Socialista, 4 da CDU e 4 do movimento independente SIM) e os presidentes das juntas de freguesia de Sines e Porto Covo. A mesa da assembleia, eleita durante a sessão com 15 votos a favor, um voto contra e cinco abstenções, ficou composta por José Luís Batalha (Presidente da Assembleia Municipal), Tiago Santos (1º secretário) e Paula Pereira (2º secretário).

No primeiro ato dos órgãos municipais, o presidente da Câmara Municipal de Sines, eleito para o segundo mandato, sublinhou que o resultado do último ato eleitoral veio confirmar que a vitória do Partido Socialista há quatro anos não foi “um acaso” e que a população de Sines “acredita em nós” e sobretudo “no nosso projeto e na forma de estarmos na política”. “Estamos nestas funções com o único intuito de servir a nossa terra”, afirmou.

O autarca reconheceu que o reforço da maioria absoluta é acompanhado de “uma enorme responsabilidade”, por isso Nuno Mascarenhas “espera contar com todos os contributos” das forças políticas com assento nos órgãos autárquicos. “O vosso contributo será sempre bem vindo desde que consigam resistir a tentações que muitas vezes são contrárias aos interesses das populações”, advertiu.

Para o mandato que agora se inicia, o executivo socialista já definiu compromissos assentes em cinco eixos: crescimento económico, emprego, competitividade e internacionalização; comunidade, equilíbrio social e intergeracional; reabilitação urbana; valorização e preservação dos recursos naturais e do ambiente; desenvolvimento de Sines como destino turístico.

É necessário preparar o município para os novos desafios que se anunciam para Sines (…) esta tarefa só terá sucesso com a participação ativa da sociedade civil que é um motor dinâmico, das empresas das quais esperemos um forte contributo de crescimento económico e emprego e do empenho dos trabalhadores da autarquia”, concluiu.

O presidente da Assembleia Municipal de Sines, José Luís Batalha realçou a “confiança” dos sinienses no projeto autárquico do Partido Socialista e agradeceu o trabalho dos funcionários da autarquia ao longo do mandato e, a todos os deputados municipais, pelo “trabalho desenvolvido para resolver todas as situações”.

O novo ciclo vai ser mais difícil do que o anterior porque temos questões muito prementes em termos de ambiente e vamos ter que ser mais proativos na busca dos interesses e na salvaguarda dos interesses das pessoas de Sines”, reconheceu.

A deputada Nádia Silva, eleita pela CDU, adiantou que o compromisso desta força política, no mandato que agora tem início, passa por “defender os direitos da população de Sines” e apelou ao “envolvimento ativo da população nas assembleias municipais”.

É vital a participação de todos e apelo a que tomemos consciência do nosso papel dentro da sociedade por isso sejam presença regular nas assembleias municipais transmitindo as vossas preocupações e opiniões”, realçou.

A deputada do movimento independente Sines Interessa Mais, Francisca Ferreira não quis usar do uso da palavra na cerimónia.

 

Deixe uma resposta