GRÂNDOLA | Escolas do 1.º ciclo em Carvalhal e Melides têm turmas com excesso de alunos

Local Últimas B

Câmara Municipal já contactou com a DGEste-Alentejo e propôs soluções. Autarquia partilha preocupações de pais e professores e comprometeu-se a garantir condições para que os estabelecimentos possam receber mais uma turma

A Câmara Municipal de Grândola anunciou, na última segunda-feira, que já encetou contactos com a Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares da Região do Alentejo (DGEste-Alentejo), após ter tomado conhecimento da “existência de turmas a funcionar em desconformidade com a lei em duas das freguesias do concelho.

Segundo a autarquia, nas escolas do 1º ciclo de escolaridade em Carvalhal e Melides “funcionam turmas com um número superior ao que se encontra legislado”.

“As turmas do 1.º ciclo do ensino básico que deveriam ter no máximo 18 alunos – por terem três níveis de ensino – e turmas que deveriam ter 20 alunos – por terem dois níveis de ensino, mas com alunos com necessidades de ensino especiais – [estão] a funcionar com 22 e 23 alunos, nos dois casos”, lamenta a edilidade, que já apresentou os casos identificados pelas juntas de freguesia, pais e professores dos alunos que frequentam os estabelecimentos de ensino em Carvalhal e Melides.

A situação, lembra o município, dificulta “o trabalho dos docentes, podendo comprometer o sucesso educativo”.

A Câmara quer ver resolvidas estas situações “com a maior brevidade possível” e, para o efeito, já apresentou “soluções relativamente à capacidade de espaço para acolher mais uma turma de imediato”, nas duas escolas, ao mesmo tempo que reiterou “a disponibilidade total para garantir todas as condições de funcionamento do espaço”, da sua responsabilidade.

António Figueira Mendes, presidente da Câmara, e Fernando Sardinha, vereador responsável pela pasta da Educação, afirmam “ser possível alcançar uma rede educativa de três turmas, no Carvalhal e em Melides, desde que sejam colocados docentes pelo Ministério da Educação”, comprometendo-se a “garantir as condições logísticas.”

Deixe uma resposta