SETÚBAL Dores Meira promete revolução urbana na zona das Fontainhas

Local C Op Autárquicas 2017 Últimas

Um novo viaduto para substituir o actual, parque de estacionamento de grande capacidade e reforço das áreas pedonais e de restauração são algumas das alterações que a candidatura comunista propõe. A substituição do carro particular por um vaivém de transporte público no acesso às praias da Arrábida é outra das ideias apresentadas por Dores Meira

 

A CDU de Setúbal promete revolucionar urbanisticamente a zona das Fontainhas, com a construção de um novo viaduto sobre a linha férrea, para substituir o que foi construído no tempo de Mata Cáceres (PS), um parque de estacionamento de grande capacidade, uma estação intermodal e alargamento das áreas pedonais com valorização da restauração nesta zona da cidade.

A proposta consta no programa eleitoral da CDU que foi apresentado por Maria das Dores Meira ao final da tarde de segunda-feira (18), em que a coligação que governa a autarquia se propõe “elaborar o Plano de Urbanização de Setúbal Nascente, insistindo com o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) para que desenvolva o plano de acordo com os termos do protocolo firmado com a Câmara Municipal de Setúbal”.

A cabeça-de-lista explicou que a CDU tenciona construir um novo viaduto “em substituição” do actual, que atravesse a linha do comboio da Avenida D. Manuel I, – ligando logo à Avenida Jaime Rebelo (mais junto ao rio) em vez de entrar na Estrada da Graça está o viaduto actual -, um parque de estacionamento “na zona ribeirinha” que permita “retirar carros do casco da cidade”, uma estação intermodal que ligue os meios de transporte “fluvial, ferroviário, rodoviário e táxis”, e alargamento das zonas pedonais das Fontainhas reforçando a vocação para a restauração que já existe naquela zona da cidade.

Dores Meira não revelou que tipo de estacionamento propõe – se em silo ou outro – mas deixou antever que será de grande capacidade, e acrescentou que o plano de urbanização implica cooperação do Governo por envolver áreas da competência de entidades da administração central, como a Infraestrutura de Portugal (IP) e a administração marítima portuária.

O programa eleitoral apresentado pela CDU – disponível na página de Facebook da candidatura – divide-se em “cinco eixos de desenvolvimento”, que incluem acções como regeneração urbana e do parque habitacional municipal, afirmação de novas centralidades urbanas, valorização da frente ribeirinha e costeira, reforço da competitividade e qualificação territorial, melhoria da mobilidade e transportes, resposta social, expansão das áreas verdes ou mais eficiência energética.

Entre propostas concretas estão coisas como a nova marina de Setúbal, a construção do espaço de cultura ‘Fábrica das Artes’, a cobertura da Praça de Touros, a conclusão da reabilitação do Convento de Jesus, a recuperação do Forte de Albarquel e a transformação do edifício da EDP na Avenida da Portela em instalações municipais.

Medidas com que, segundo a presidente recandidata, a CDU pretende “ajudar a mudar ainda mais a face de Setúbal”.

Sobre o mandato que agora termina, Dores Meira afirmou que o programa eleitoral foi superado. “Fizemos o dobro do que prometemos”, disse, explicando que foram feitas muitas obras não previstas e que, das que constavam expressamente no programa eleitoral a excussão “ronda os 905” tendo ficado por fazer apenas duas; a nova biblioteca municipal e o Terminal 7. A candidata explicou que se trata de obras que deixaram de poder ser co-financiadas por fundos comunitários e garantiu que são projectos concluídos e que a intenção é apresentar as candidaturas logo que existam programas comunitários que o permitam.

A recandidata comunista conclui que, nesta campanha eleitoral, a CDU vai basear-se na obra feita e na “verdade”. “A nossa campanha é a do trabalho feito, numa campanha de verdade”, afirmou, acrescentando que “os setubalenses vão julgar” e “podem facilmente saber se o que outros prometem é possível, se são competências das autarquias ou apenas demagogia”.

A apresentação do programa comunista contou com a presença dos primeiros nomes na lista à Câmara Municipal, nomeadamente Carlos Rabaçal, Carla Guerreiro e Pedro Pina, do mandatário, Rogério Palma Rodrigues, e de João Armando do PCP Setúbal.

 

Praias da Arrábida com vaivém e sem carros

Outra das propostas do programa eleitoral da CDU é “melhorar as condições” de acesso às praias da Arrábida, cuja gestão é agora municipal. Os comunistas propõem um modelo “partilhado” com a Infraestruturas de Portugal (IP), assente num acordo em que a autarquia fica com a autoridade sobre a Estrada Nacional 379.

Dores Meira revelou que o município tem já um protocolo em estado de negociação avançada com o Governo, que só não foi concluído em Maio porque tinha aspectos complexos a rever, como a responsabilidade pela segurança das arribas sobre a estrada, que levaram a autarquia a não avançar na ultima época balnear.

De acordo com o que explicou a cabeça-de-lista da CDU, a intenção é substituir a utilização do carro particular por um vaivém de transporte público na ligação entre a cidade e as praias, com reforço das áreas de estacionamento. Dores Meira não concretizou, mas o programa eleitoral fala em “modos suaves” de transporte, remetendo para soluções rodoviárias. A candidata disse apenas que a utilização do automóvel privado ficará reservada apenas a residentes e concessionários ou comerciantes.

 

 

Novas instalações para PSP e GNR em Poçoilos

Entre as muitas propostas comunistas que dependem de acordo com o Governo estão a deslocalização das instalações dos comandos regionais das forças de segurança. Dores Meira disse que a autarquia já cedeu terrenos para a construção de instalações para o Comando Distrital da PSP e Comando territorial da GNR, que estão actualmente no centro da cidade “sem condições” e que podem ficar em Poçoilos, perto do acesso à auto-estrada e estrada nacional porque “têm de fazer a ligação a outros concelhos”.

Sobre a Policia Judiciária, a candidata diz que CDU pretende ver também a instalação noutro local, tendo admitido a hipótese de vir a ser usado o actual Tribunal de Setúbal em caso de alargamento do Palácio de Justiça de Setúbal.

Para tudo isto, Dores Meira espera a “cooperação” do Governo, dizendo que a relação actual tem sido “boa”.

 

 

 

 

Deixe uma resposta