Eleições autárquicas

Opinião
Jose Vinagre

Jose Vinagre

Professor
Jose Vinagre

Latest posts by Jose Vinagre (see all)

«o povo necessita do entusiasmo de quem pense numa grande obra de renovação, numa pedagogia do encanto»

(adapt. Ferreira de Castro)

Por todo o lado há mensagens partidárias caçando o voto com afirmações de «compromisso», «merece», «confiança» para «todos», «juntos», apelos de «acorda», de «mais», promessas de «estradas», «feiras», «hospitais», «trabalho», aclamações de «bem-vindo», … afastando a pedagogia política e a filosofia ideologica da consciência e razão colectivas. Nessas mensagens e noutras, a que chamam «programas», não se reflecte uma visão clara e projectiva para os espaços locais. Por isso as pessoas se sentem fora desta peça sem substância político-educativa. O distrito de Setúbal regista as mais altas abstenções de Portugal, ocupando o concelho de Palmela o 2º lugar na abstenção com 61,49%, numa situação que, parece, agrada a muitos concorrentes&autarcas satisfeitos por serem eleitos com menos de 20% do eleitorado (‘DRegião’:31/7/17). Sem ideologia, ideias e ideais nos debates e antes, nas festas e inaugurações, – (ópio do povo na partidocracia) -, os partidários são bastante cordiais. Não discutem política! Eles não querem cidadãos políticos! Lembram-se do aeroporto e do montado, no concelho de Palmela e limitrofes? Unanimidade de silêncios! E o «Arco» de Pinhal Novo? Que consequências ou ilações a tirar antes do seu desmantelamento até hoje? E a Vala da Salgueirinha, uma obra de que já se recolhem louros? (‘DR’ 29/8/17) Porquê 40 anos? Que ilações e responsabilidades a tirar relativamente aos poderes políticos da autarquia e das oposições, como na destruição/arruamento do Pinhal da Salgueirinha? É natural que o «ambiente relacional» entre os homens do sistema, seja «muito bom» (‘DR’). Eles fazem partidocracia e aliam-se ou silenciam-se como no caso da urbanização do Terrim/Francisquinho. Há uma «Genealogia de Poder» (‘JPN’) no espectro administrativo&partidário, há interesses pessoais e personais que se tornam afins nesses ambientes onde o debate político-crítico está ausente mergulhando o povo num analfabetismo sócio-político que nos afasta de uma sociedade livre e criativa, saudável, igualitária, progressista e supraindividual. São os maus exemplos do aeroporto de Rio Frio, da própria Vala da Salgueirinha, da Torre da CP, da sede do CDPinhalnovense e túnel, do modelo urbano, do território rural, etc. «Você fala de mais», diz um líder distrital da oposição a um seu eleito, no concelho de Palmela! No Pinhal Novo/Palmela gostaria que se discutissem ideais em torno da abstenção, das inaugurações e suas placas, das medalhas camarárias deste pós-fascismo, da floresta, Pinhal da Salgueirinha e Vale Sanceiro, da Lagoa do Monte Velho a sofrer alterações, da Fonte da Vaca/Carregueira limite verde para a vila, do apoio à variante, da urbanização do Francisquinho, da Água e nossos lençóis freáticos (Palmela tem falta de água? – cf. ‘DR’), da Herdade e montado de Rio Frio, sua defesa e classificação eco-patrimonial, da manutenção das valas e charcos e de uma região pinhalnovense ecologicamente trabalhada e potenciada para as gerações futuras, da falha sismica de Pinhal Novo, de um Centro Cultural… de uma ideia de Pinhal Novo tendo em conta o seu potencial territorial associado aos cidadãos, entrando pelos ideários ideológicos da preservação, saúde, educação-responsabilidade-convivência, valorização eco-ambiental e não na ladainha que mobiliza uns quantos militantes do voto. As comunidades estão despersonalizadas, por ausência de uma educação política colectiva e as coisas começam a deixar de ser inteligiveis: Lagoa do Monte Velho? Ecologia, em Pinhal Novo?; muito do que mencionámos é desconhecido. A Política devia ter feito destes exemplos algo inteligível e progressista para a vida comunitária. Não chega só o vinho, as sopas e fogaças (re)fundando uma «cultura»(?) festiva. Faz falta uma cultura e política, como ideal consciente, enquanto disciplina e pedagogia abrangente das coisas das sociedades locais, potenciando cada pessoa. Não vale a pena peribolar pelos aparelhos partidários e administrações autárquicas, separando e não agregando, secando a raiz cultural-criativa dos colectivos, a troco da subserviência, tentação-táctica aceite por algumas administrações eleitas em seus jogos de interesses, dando exclusividade a seus apaniguados. Interessa superar esta situação, desta relação voto-partidos-poder! Interessa pensar numa Assembleia do Povo, onde se consubstancie a democracia directa. Os partidos interessam à democracia (Melo Antunes): Sim! A partidocracia exclusiva: Não!

Deixe uma resposta