Importância da educação na promoção da cidadania e igualdade de género em debate

Local Sociedade Últimas C

Seminário Cidadania e Igualdade de Género decorreu no Cinema Charlot – Auditório Municipal. Oradores defenderam uma intervenção na área da educação, numa fase precoce, como forma de prevenção dos problemas igualdade de género

 

O seminário Promoção da Cidadania e da Igualdade de Género marcou o arranque do projecto CIGE4all, promovido pela instituição setubalense O Sonho e a Casa do Povo de Sesimbra, que tem como objectivo promover “a cidadania e a igualdade junto das crianças do ensino pré-escolar dos concelhos de Setúbal e Sesimbra”, como sublinhou Florival Cardoso, presidente das duas instituições.

Além de ser um momento de reflexão e debate sobre as questões da cidadania e da igualdade de género, o seminário pretende divulgar o projecto-piloto que vai ser implementado, este ano lectivo, numa escola da rede pública de Setúbal e noutra de Sesimbra, bem como numa instituição particular de solidariedade social em cada um destes concelhos.

As acções a implementar no âmbito do projecto-piloto contemplam formação para os intervenientes educativos, iniciativas de sensibilização para a família e maletas pedagógicas a distribuir pelas salas de aula, com material lúdico-pedagógico direccionado a crianças em ensino pré-escolar.

“Estamos convictos de que este projeto inter-concelhio irá, a médio prazo, promover práticas para a desconstrução de estereótipos e influenciar positivamente toda a comunidade educativa, quer na forma de atuação, quer no modo de relacionamento de género e as boas práticas de cidadania”, defendeu Florival Cardoso.

O responsável acredita que este projecto-piloto vai contribuir para a “formação de indivíduos responsáveis, autónomos e solidários, que conheçam e exerçam os seus direitos e deveres em diálogo e respeito pelos outros”.

Em representação de Pedro Pina, vereador da Educação, Cultura e Inclusão Social da Câmara de Setúbal, Conceição Loureiro sublinhou, na sessão de abertura do seminário, ser “fundamental a intervenção ao nível da educação, e de forma precoce”, para promover a cidadania e a igualdade de género.

Por isso, felicitou O Sonho e a Casa do Povo de Sesimbra pela realização do encontro e pelo trabalho que têm desenvolvido em matéria de infância e juventude, pois “é muito importante a partilha de ideias e de práticas que possam atenuar desigualdades”.

Pedro Pina, na mensagem passada pela chefe de divisão, destacou a importância de promover “espaços de participação e de cidadania”, pois, sendo estes “conceitos conhecidos e quase de senso comum, é fundamental lembrar que só se pode falar efectivamente de cidadania e de igualdade de oportunidades quando se criam as condições adequadas para que tal aconteça”.

Daí que, acrescentou, é “imperioso combater estigmas e preconceitos, os quais continuam a ser barreiras à promoção da igualdade de género e ao combate à discriminação”.

Também a presidente da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, Teresa Fragoso, considera que esta é uma batalha que “ainda está longe de ser consolidada”, pois “homens e mulheres ainda vivem em desigualdade de direitos e deveres”.

Além disso, continuam a existir “estereótipos discriminatórios do ponto de vista sexual, de que são exemplo recente os que surgiram em dois blocos pedagógicos, editados com diferentes exercícios para meninas e para meninos”.

Teresa Fragoso frisou a necessidade de intervir na área da educação, que “foi sempre uma das áreas prioritárias” para a comissão, através da promoção do “respeito pelas diferenças, mas acima de tudo pela igualdade”.

Depois da sessão de abertura, os trabalhos do seminário, organizado com o apoio da Câmara de Setúbal, continuaram com um painel no qual Regina Marques, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), abordou o tema “Meninas e Meninos – Mundos Paralelos”.

No período da manhã houve ainda uma comunicação sobre os temas do encontro, conduzida por Anália Torres, do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, e uma abordagem de Isabel Vieira, da Universidade Católica, sobre “A participação e os desafios da cidadania”.

O encontro seguiu, ao início da tarde, com Manuela Matos, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), que apresentou o tema “Lançar redes em mar revolto: uma práctica de trabalho com famílias”.

Antes da sessão de encerramento, ao final da tarde, as comunicações prosseguem com Teresa Andrade, do Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, sobre “Estratégias Educativas para a Igualdade de Género no Pré-escolar”, e de João Arriaga e Francisco Paixão, do Centro Social de Palmela, que abordarão o tema “Um Olhar…Outras Perspectivas”.

Deixe uma resposta