Câmara de Setúbal alerta para muralha em risco no Viso [galeria de fotos]

Local C Regional B Últimas Últimas C

Muralha de sustentação de terreno nas traseiras da Rua Óscar Paxeco, com prédios de vários andares, apresenta fissuras preocupantes. Município diz que há “risco colectivo eminente” e proibiu moradores de estacionarem os carros nas garagens

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Câmara Municipal de Setúbal emitiu esta quinta-feira um alerta para o risco de a muralha de sustentação nas traseiras de prédios na Rua Óscar Paxeco, no Viso, vir a ruir.

“A identificação de riscos estruturais graves na muralha motivou a Câmara Municipal a emitir uma Declaração de Situação de Alerta, com efeitos desde ontem”, refere a autarquia em comunicado.

O Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros de Setúbal avaliou o estado da estrutura e “identificou a existência de fissuras verticais longitudinais nas juntas de dilatação, o que provocou o movimento rotacional de segmentos”.

“Verificou-se que a muralha está com fissuras verticais e horizontais e que a estrutura já tem uma desnível de cerca de 12 centímetros que obriga a uma avaliação e intervenção”, disse José Luís Bucho, responsável da Protecção Civil Municipal ao DIÁRIO DA REGIÃO.

O alerta, que a autarquia justiça como “carácter preventivo” pela “gravidade da situação em causa”, mantém-se activo até à conclusão da operação, com acções já em curso, necessária para reposição da integridade estrutural da muralha.

De acordo com a mesma nota, existe “um risco colectivo eminente” que “coloca em causa a integridade da infra-estrutura e a segurança da própria população, tanto para os moradores dos prédios afectados, compreendidos entre os lotes 5-A e 17-A, como para os munícipes residentes em moradias existentes à cota inferior, na Rua Clube Recreativo da Palhavã”.

Trata-se de uma muralha em betão, da década de 80, que sustentas os terrenos onde estão construídos setes prédios de com mais de seis pisos de altura cada um e respectivas garagens.

A muralha terá 100 metros de comprimento e uma altura variável entre os dois e os 15 metros.

O município anuncia que adoptou um conjunto de “medidas excepcionais de prevenção”, como a interdição do acesso automóvel às garagens dos prédios em risco, e que avançou com “os procedimentos necessários para a contratação e adjudicação de uma empresa especializada para a execução da obra” de estabilização da muralha”.

Segundo a Câmara, a Declaração de Situação de Alerta permite à autarquia avançar com esses procedimentos administrativos pelo que, ainda “para esta semana, está prevista a visita ao local afectado de uma empresa técnica de especialidade para realização de uma avaliação técnica que permita avançar, o mais rapidamente possível, para um projecto de execução e, posteriormente, para respectiva obra de consolidação estrutural da muralha”.

 

 

 

6 comments

  1. Em vez do municipio proibir de estacionar carros porque nao mandou concertar o muro antes das eleicoes autarquicas?Os dinheiros da camera nao devem servir apenas para dar no olho !

  2. um wi-fi gratuito nas zonas emblematicas da cidade e mais importante que o concerto de uma muralha no viso!
    Uma camera decente deve pensar que mesmo proibindo o estacionamento de carros pode passar uma criança a pe” e a muralha cair -lhe em cima!
    Quem nao le o diario da da regiao e analfabeto de pe e mao!

  3. E acabe-se de vez com essa ladainha”entre publico e privado a” nivel autarquico nao funciona!
    O privado nao controi sem autorizaçao camera!

  4. vai-te catar dolores meira nao venhas para televisao dizer que a culpa e do anterior executivo!
    um dia destes pode te cair em cima o tunel do quebedo ou a ponte das fontainhas!

  5. porque nao mete a camera setubal esta foto no facebook para alertar as pessoas!
    onde estao essas mulheres com cabeça?

  6. Suponho que o muro terá sido feito para ser permitido a construção dos prédios adjacentes. Se assim foi pergunto: de quem é a propriedade desse muro, da câmara ou dos proprietários dos edifícios? Desconheço o que está regulamentado para estas situações. É claro que a câmara deverá intervir rapidamente para evitar males maiores. A questão que coloco respeita a quem deverá ser imputado os custos à câmara, (leia-se nós todos) ou os proprietários. A quem seja conhecedor destes assuntos agradeço esclarecimento.

Deixe uma resposta