Para além do tradicional

Opinião
Miguel Dias

Miguel Dias

Licenciado em Geografia
Dirigente do LIVRE
Miguel Dias

Latest posts by Miguel Dias (see all)

Se há ideia espremida até ao âmago pelos autarcas é a requalificação. Principalmente em período de eleições autárquicas o verbo requalificar é dos mais conjugados pelos candidatos e candidatas.

Requalificar é fácil. Haja dinheiro, através de orçamentação camarária, fundos europeus ou apoios indirectos, e meios técnicos e o património reedifica-se. Mas o importante aqui é reflectirmos para que serve tal acção. De que serve recuperar um palacete, para ficar fechado? De que serve reconstruir um moinho, se nem vento nem maré o visitam? De que serve restaurar as estruturas do município, se depois não são acessíveis por todos e todas?
Arriscaria dizer que a promessa de requalificação dos centros urbanos é transversal a quase todos os programas das várias candidaturas autárquicas presentes de Norte a Sul do país. Haverá excepções? Certamente. Principalmente os casos dos municípios que já cumpriram esse desígnio, na maior parte das vezes por dinâmicas económicas que se impõem à própria gestão autárquica. Cabe a esses municípios ter a perspicácia de utilizar isso em seu favor.
Mas mais do que falar em reconstruir os edifícios dos centros urbanos devemos pensar num plano de revitalização para essas áreas. E é aqui que reside o principal desafio. Ou seja, não basta recuperar o que está em ruínas. É preciso dar nova vida às baixas da cidade. Os centros históricos devem ser dotados de serviços e estruturas que fixem cidadãos, proporcionando-lhes conforto. Devem existir escolas, cuidados de saúde, transportes públicos, bancos, correios, farmácias, comércio e espaços para a convivência e para o desporto… Criar praças que sejam pontos de encontro e fomentem o estreitamento das relações de vizinhança, entretanto perdidas. Jardins que convidem os moradores a sair de casa. Cruzar diferentes gerações num mesmo espaço, com políticas que permitam fixar e/ou atrair população mais jovem. Para que os centros nunca voltem a morrer. E o município terá de ter particular atenção à limpeza e higiene do espaço público, cuidando da sua preservação. Caso contrário depressa se tornam repulsivos, quando comparados com urbanizações mais recentes.
O esforço passa também pela modernização de áreas consideradas obsoletas. Por vezes haverá necessidade de arrasar para contruir de novo; mais moderno e adaptado à forma actual de pensar o espaço público – quando tal suceder é importante preservar um registo para memória futura. De facto, as necessidades sociais e legais são hoje outras. O espaço precisa de ser potenciar a fluidez, com o mínimo de barreiras arquitectónicas à acessibilidade. Os centros urbanos devem ser lugar de inclusão nos mais variados parâmetros. E devem ser inteligentes no consumo energético e utilização dos recursos, tirando o máximo partido da sua geografia. O trânsito deve ser limitado e condicionado, apostando-se claramente nos meios de mobilidade suave. As cidades, as vilas, as aldeias, não foram feitas para os carros. Foram feitas para as pessoas.
Em suma, o desafio que os municípios enfrentam neste século, é ir para além da tradicional requalificação dos centros urbanos. Não basta restaurar. É preciso dar vida. E às vezes são propostas inusitadas e ousadas, que à primeira vista não veríamos como uma solução natural, que resultam num renascimento eficaz. Como apostas em espaços comuns de trabalho, em actividades ligadas à arte e cultura, ao desporto, entre outras. Ir para além do tradicional é o que caracteriza as pessoas que são apelidadas de visionárias. É isso que se espera dos autarcas do século XXI. Transporem o banal.

One comment

  1. Os meus parabéns pelo texto,pelo tema escolhido e pela reflexão que lhe está subjacente. Muitos dos nossos autarcas (ou candidatos a tal !), ainda, confundem os conceitos, daí que também não o consigam passá-los à prática. Revitalização urbana, Requalificação urbana, Reabilitação urbana, Regeneração urbana, (…).

    http://www.regeneracaourbana.cip.org.pt/?lang=pt&page=estudos/estudos.jsp

    http://www.regeneracaourbana.cip.org.pt/irj/go/km/docs/site-manager/www_regeneracaourbana_cip_org_pt/documentos/pt/estudos/informacao/Estudos/5.%20Com%c3%a9rcio%20de%20Proximidade.pdf

Deixe uma resposta