CDU de Alcácer do Sal apresenta candidatos aos órgãos autárquicos

Local C Últimas B

É com sangue novo e renovado que a CDU, em Alcácer do Sal, espera não só ganhar o próximo embate eleitoral como aumentar o número de eleitos para o executivo municipal, encabeçado por Vítor Proença.

Helga Nobre

A apresentação dos candidatos às Assembleias de Freguesia do concelho, à Assembleia Municipal e à Câmara de Alcácer do Sal, realizou-se esta sexta-feira perante o olhar atento das trezentas pessoas que assistiram ao ‘desfile’ dos cabeças de lista.

À Assembleia de Freguesia da Comporta, a CDU avança com a independente, Deolinda Florencio (49 anos); à Assembleia de Freguesia de São Martinho, os comunistas avançam com Albino Francisquinho (52 anos). Para a Freguesia do Torrão, foi escolhido o independente Virgilio Silva (53 anos) e para encabeçar a lista da CDU à União de Freguesias de Alcácer do Sal, Santa Maria do Castelo, Santiago e Santa Susana, está Arlindo José Passos (61 anos).

A militante comunista, Maria Antónia Mendes (67 anos) foi o nome escolhido para representar a CDU na lista que concorre à Assembleia Municipal de Alcácer do Sal.

Quanto aos sete candidatos que acompanham Vítor Proença na corrida eleitoral à Câmara Municipal de Alcácer do Sal, a CDU confiou em Leonardo Jacinto (7º na lista), Albino Francisquinho (6º), Ana Rita Guerra (5º), Nuno Pestana (4º), Manuel Vítor de Jesus (3º) e Ana Luísa Soares (2ºlugar). 

António Balona, é o mandatário da candidatura da CDU em Alcácer do Sal.

Alcácer do Sal “mais atrativo”

Sob o lema ‘Alcácer Tem Vida’, o cabeça de lista à Câmara de Alcácer do Sal, que se recandidata a um segundo mandato, quer “reforçar o progresso e intensificar as dinâmicas” em todo o território. Relembrando o passado socialista, que durante oito anos geriu os destinos da autarquia, o candidato elencou um conjunto de “erros” e “ilegalidades processuais” cometidos pelo anterior executivo para falar do trabalho desenvolvido no mandato que agora termina. “Se há quatro anos não havia ideias nem projetos de futuro, hoje Alcácer é um município com dezenas de projetos e garantias de financiamento para todos eles”. Promover a participação de pessoas, apoiar o movimento associativo, mobilizar as populações para construir “um município atrativo e que retenha a sua juventude”, são prioridades da candidatura.

Vamos partir para diante agregando entidades de modo a, juntos, promovermos o nosso rio Sado com novos investimentos nos cais e na sua náutica turística, o estuário e as barragens. Vamos tirar partido da paisagem única, do cais palafítico, da biodiversidade, dos caminhos da natureza e do património histórico”, afirmou Vítor Proença.

A captação de novos investimentos no setor agro-alimentar, na hotelaria e no alojamento turístico, nas industrias e nas novas tecnologias, é outra das prioridades do programa eleitoral. “Alcácer prepara-se para novos investimentos na hotelaria e no alojamento possuindo já uma estadia média de alojamento superior à média nacional e à média do Alentejo e vai ter de apostar ainda mais no alojamento porque é uma necessidade” no concelho.

Reforçar a aposta nas crianças e na juventude, com “a reabilitação da Escola dos Telheiros ou da oficina da Criança”, são outras das apostas da lista comunista que quer concluir, no segundo semestre de 2018, o Museu Pedro Nunes e avançar com a qualificação de toda a zona do Parque de Feiras e zona envolvente à Praça de Touros. “Trata-se de um ciclo de obras que vai exigir muita capacidade de financiamento”, reconheceu Vítor Proença que quer “qualificar” todas as aldeias do município.

Jerónimo de Sousa critica descentralização

O Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa aproveitou o momento para criticar a forma como o Partido Socialista está a conduzir o processo da descentralização. “Não é possível falar de descentralização ignorando as limitações financeiras e administrativas a que as autarquias têm estado sujeitas” afirmou o líder comunista que acusa o governo de “confundir transferências de responsabilidades com passagem de encargos”.

Não é sério falar de descentralização e de proximidade e, ao mesmo tempo, recusar a instituição das regiões administrativas e vir com simples reformulações das atuais estruturas desconcentradas da administração central como a que apresenta o PS”, acrescentou Jerónimo de Sousa que procura o “reforço eleitoral” nas próximas eleições autárquicas.

As próximas eleições constituem uma batalha política de grande importância pelo que representam no plano local, mas também pelo que podem contribuir para dar força à luta que travamos nesta nova fase da vida política nacional”, acrescentou.

No discurso, o líder comunista congratulou-se ainda com o aumento extraordinário das pensões e defendeu a adoção de um Programa Nacional de Combate à Precariedade, a propósito do fim do prazo do pedido de regularização de vínculos precários na administração pública e setor empresarial do Estado.

Deixe uma resposta