A emigração de jovens qualificados

0
8
visualizações

Entre Dezembro de 2016 e Abril de 2017, a Fundação Associação Empresarial de Portugal (AEP) dinamizou um questionário online, dirigido a cidadãos de nacionalidade portuguesa ou nascidos em Portugal residentes no estrangeiro com formação de nível pós-secundário, como o objectivo de estudar a emigração de jovens qualificados no âmbito do programa “Empreender 2020 – O Regresso de uma Geração Preparada”.

- Pub -

No conjunto de conclusões recentemente divulgadas por este projecto pioneiro, que operou no seio da diáspora portuguesa, particularmente na Europa, um levantamento de jovens emigrantes detentores de elevadas competências técnicas e educativas, e estudou o potencial de retorno desse capital humano e o seu impacto no desenvolvimento económico do país, destaca-se desde logo o facto estruturante de 62% dos jovens lusos qualificados, com idades compreendidas maioritariamente entre os 30 e 39 anos, continuar a emigrar.

De acordo com o estudo, que mostra o Reino Unido como um dos grandes destinos da nova emigração portuguesa, embora mais de metade desses jovens qualificados revelarem um perfil de empreendedor ou potencial empreendedor, e inclusivamente 56,4% afirmarem que gostavam de voltar e ser empresários em Portugal, existe um número significativo de jovens emigrantes lusos qualificados (35%) que pondera nunca mais regressar à pátria de origem.

O mesmo estudo indica ainda as principais motivações do retorno ao território nacional, assim como as de fixação nas novas pátrias de acolhimento. Os que pensam regressar, apontam sobretudo a saudade, e o estar próximo da família e dos amigos como o principal impulso de retorno, os que não pensam regressar, assinalam essencialmente as faltas de oportunidade de carreira, de emprego e os baixos salários na sua área, como a principal razão de optarem por trabalhar no estrangeiro.

Tendo em linha de conta que na última década a emigração lusa atingiu números históricos, contexto que acarretou a saída de milhares de portugueses entre os 20 e os 40 anos do país, este estudo sobre a emigração de jovens qualificados revela a imprescindibilidade da sociedade portuguesa apreender os desafios e oportunidades da emigração enquanto instrumento fulcral do nosso desenvolvimento e futuro colectivo.

- Pub -

Queremos saber a sua opinião.