Câmara pede explicações sobre partículas químicas que atingem Aldeia de Paio Pires

Local Últimas C

A Câmara Municipal do Seixal já solicitou explicações às entidades competentes sobre a existência de partículas de cor amarelada que têm surgido na Aldeia de Paio Pires e que têm gerado preocupação na comunidade local.

“A Câmara Municipal do Seixal informa que já solicitou informações sobre o assusto às entidades responsáveis, sendo que são estas que poderão dar explicações sobre a situação: Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT) e Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI)”, admitiu a autarquia em resposta enviada ao DIÁRIO DA REGIÃO.

A Agência Portuguesa do Ambiente, também contactada pelo DIÁRIO DA REGIÃO, ainda respondeu às questões colocadas sobre a situação.

Conforme o DIÁRIO DA REGIÃO noticiou oportunamente, partículas de cor amarelada, alegadamente de origem química, têm gerado preocupações nos residentes de uma zona de Aldeia de Paio Pires, nas proximidades da empresa Siderurgia Nacional.

Um vídeo, realizado na Avenida General Humberto Delgado, a algumas centenas de metros de distância onde opera a empresa, os automóveis estacionados ao ar livre naquela zona têm vindo a ser atingidos por essas mesmas partículas, ao fim de algumas horas no referido local.

O vídeo foi publicado na rede social Facebook, no passado dia 18, por João Carlos Lopes Pereira, que deixou assim um alerta às entidades competentes, até porque foi possível verificar que as partículas não são possíveis remover com recurso aos limpa-vidros dos pára-brisas.

“Se isto cai em cima das viaturas, também pode cair num copo de leite ou num gelado que uma criança possa estar a comer numa esplanada. Qual o efeito disto na saúde? Este vídeo fica à consideração do pelouro do Ambiente da Câmara Municipal do Seixal e também da Agência Portuguesa do Ambiente”, alertou então o autor do vídeo.

A autarquia informou hoje que aguarda por informações dos organismos competentes.

SEIXAL: Residentes suspeitam estar expostos a partículas químicas

Deixe uma resposta