João Afonso apresenta “Muito Mais para Montijo” [com VÍDEO]

Local Últimas B Últimas C

PSD/CDS-PP ultrapassa tudo e todos com aposta fortíssima em projecto ambicioso que visa modernizar o concelho. Um novo edifício dos Paços do Concelho, uma nova rede de transportes com a criação de um “BUS Rapid Transit” e mini-autocarros, a garantia da construção de um novo hospital, polícia municipal e implementação de conceito de “Smart-city”, foram algumas das medidas do projecto apresentado

A única pecha na cerimónia de apresentação pública da candidatura de João Afonso, como cabeça-de-lista à Câmara Municipal do Montijo pela coligação PSD/CDS-PP, foi só mesmo a escolha do local para o efeito. No último sábado, a Galeria Municipal revelou-se pequena demais para acolher tantos apoiantes – entre os quais algumas figuras com conhecida ligação a quadrantes partidários opostos, como PCP, PS e até mesmo BE –, o que obrigou alguns a ficar à porta, já que nem no último piso houve nesga de espaço para caber mais um.

Uma pecha que, como rapidamente se poderá perceber, acaba por constituir sinal extremamente positivo para a coligação, na medida em que pode ser interpretado como verdadeira capacidade aglutinadora, agregadora, unificadora e, sobretudo, confiante num desenlace inédito para social-democratas e centristas no Distrito de Setúbal, ou seja a primeira conquista de uma câmara municipal na região.

A CDU, com a apresentação de Carlos Jorge de Almeida, já havia dado prova de força, mas a apresentação da coligação “Muito Mais Montijo” foi capaz de surpreender, ultrapassando pela direita, e a todo o gás, a manifestação de apoio em torno de um cabeça-de-lista. Não só pelo número de apoiantes que mobilizou – e que eleva muito a fasquia para as restantes candidaturas a apresentar (pelo menos PS e BE) – como, acima de tudo, pelo conteúdo apresentado, bem estruturado, notoriamente pensado, devidamente ambicioso, com medidas concretas de projectar um concelho para um horizonte temporal até 2030.

O que equivale a dizer que, ao contrário do que habitualmente sucede com as estruturas partidárias por estas ocasiões, a candidatura de João Afonso foi bem mais além, antecipou-se a tudo e todos, com a revelação de um projecto, bem esquematizado, e que assim deixa os cabeças-de-lista das forças políticas adversárias reféns de apresentações programáticas com outra substância, com medidas diferentes.

Principais medidas do programa

Depois das intervenções de Luís Luizi, mandatário da candidatura, Pedro Morais Soares, secretário-geral do CDS-PP, e Maria Luís Albuquerque, vice-presidente do PSD e, recorde-se, cabeça-de-lista à Assembleia Municipal de Almada, João Afonso dissecou o projecto arrojado, numa aposta fortíssima para desenvolvimento do concelho montijense, que já havia sido projectado num vídeo de cerca de 14 minutos no arranque da sessão.

A construção de um novo edifício dos Paços do Concelho na zona ribeirinha da cidade, que possa concentrar todos os serviços administrativos e técnicos da autarquia, é uma das principais medidas que encorpam num processo de “reorganização e modernização da Câmara Municipal, logo à cabeça”, até porque, defendeu o candidato, “é de muito difícil governo” uma autarquia com vários serviços afastados uns dos outros.

“O actual edifício dos Paços do Concelho e o edifício sito na Avenida dos Pescadores deixarão de albergar os serviços directos da Câmara”, que serão assim “reconfigurados e reorganizados”, sendo ainda “criado, entre outros, o Gabinete de Apoio ao Investidor, que permitirá em tempo útil o acompanhamento dos projectos de investimento”, explicou João Afonso.

A questão da mobilidade da população é outra aposta forte, com a criação de uma rede de transportes, que passará “pela construção de um corredor ‘BUS Rapid Transit’ (BRT)”.

“Este transporte ecológico, moderno e barato fará a rota entre o Forum Montijo e o actual Terminal da Transtejo, usando a antiga linha de caminho de ferro e um corredor a criar ao longo da actual estrada do Seixalinho”, revelou. O corredor BRT “permitirá efectuar todo o percurso em cerca de 15 minutos” e a baixo custo, quando “comparado com outras soluções”.

Como complemento a este BRT, será também criada “uma rede de mini-autocarros, que se ligará ao canal de BRT através de uma gare a construir na antiga estação ferroviária”. Numa primeira fase, disse João Afonso, “existirão dois circuitos de mini-autocarros na freguesia Montijo/Afonsoeiro… a segunda fase contará com a criação de um circuito para a Atalaia e Alto Estanqueiro-Jardia e a terceira fase com a criação de um circuito com a inclusão da Lançada e Sarilhos”.

Objectivo apontado como exequível é o da construção de um novo hospital. Não a cargo da administração central, mas sim através de uma parceria com instituições de solidariedade social. O candidato apontou o exemplo do Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde e deixou implícito que já terá luz verde da Misericórdia do Montijo para avançar para solução idêntica, com uma “construção faseada” e capacidade de resposta para o universo “de 70 mil pessoas” do concelho.

O capítulo da segurança pública mereceu também atenção particular. “Já em 2018 será criada uma força de polícia municipal, que complementará as funções de outras forças já existentes”, adiantou, acrescentando que os elementos serão “prioritariamente recrutados entre os trabalhadores da Câmara”. Ao mesmo tempo, será “instalada igualmente vídeo-vigilância em zonas mais críticas da cidade”, concluiu.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Ivo Conceição 

 

MONTIJO “CIDADE INTELIGENTE” ATÉ 2030

João Afonso revelou outra das medidas que, defende, será “fundamental para a modernização do concelho”. Até 2030, o Montijo “deverá integrar o conceito de ‘Smart-City’ [cidade inteligente]”, anunciou. Conceito que abrange áreas como “o controlo e uso da água; a reorganização da recolha dos lixos domésticos e industriais; o reequipamento dos veículos de limpeza urbana; a implantação de sistemas de carregamento de viaturas eléctricas; a implantação de bicicletas com sistema integrado de utilização; a implementação de um sistema de monitorização de consumos energéticos; a instalação de roteiros e aplicações digitais; a construção de um ecopolis em Pegões; e a construção de corredores verdes”.

Deixe uma resposta