Vitória anula Rio Ave mas continua sem vencer em Vila do Conde

Desporto Últimas

Sadinos podem queixar-se de uma grande penalidade que ficou por marcar. Empate justo num jogo em que os colectivos equivaleram-se e o perigo, esse, andou quase sempre arredado das balizas. Os da casa tiveram mais bola; os vitorianos foram mais venenosos

Com Pedro Pinto no lugar de Venâncio – que nem se sentou no banco por mera opção técnica –, o Vitória foi a Vila do Conde conquistar um ponto, fruto de um empate a zero, num reduto onde os vitorianos, em 22 jogos ali realizados para o principal escalão do futebol luso, nunca venceram, tendo até então um saldo de quatro empates e 17 derrotas. E ainda não foi desta!

A equipa de José Couceiro apresentou-se em campo muito personalizada, com uma organização defensiva que chegou e sobrou para as encomendas, para tentar depois explorar as transições rápidas e apanhar o adversário desposicionado. É verdade que não conseguiu criar situações de perigo iminente junto à baliza de Cássio, porém também soube retribuir na mesma moeda à turma do Rio Ave, tapando com mestria todos os caminhos que iam dar à zona de protecção de Bruno varela.

A um remate do lateral-esquerdo Rafa, aos 63′, que levou a bola a raspar no ferro da baliza vitoriana, responderam os sadinos com um livre directo, cobrado por Edinho, a obrigar o guardião vilacondense a defender para canto. Foram estes os lances de maior evidência durante os 90′ de um jogo em que as defesas se sobrepuseram aos ataques, não obstante o Vitória poder queixar-se de uma grande penalidade que passou em claro na primeira e menos emotiva metade do encontro.

Primeiro remate foi do Vitória

No primeiro tempo, de resto, a partida foi ainda mais amorfa, até porque o perigo andou sistematicamente arredado de ambas as balizas. O Rio Ave teve mais bola e revelou-se muito dependente das acelerações de Gil Dias; o Vitória foi mais venenoso nas transições ofensivas, sobretudo quando João Carvalho e até mesmo Costinha agarravam no jogo. Foi precisamente na sequência de uma jogada elaborada por esta dupla que surgiu o primeiro remate no encontro, aos 14′, pertencente aos sadinos, com João Amaral a atirar muito por cima.

O Rio Ave só acertou na baliza setubalense em cima do último minuto do primeiro tempo, mas o cabeceamento de Guedes saiu à figura do tranquilo Bruno Varela. Antes, aos 33′, os sadinos queixaram-se de uma grande penalidade que ficou por assinalar na área vilacondense, depois de Marcelo ter disputado imprudentemente um lance, em que acabou por atingir um jogador vitoriano (lance difícil de ajuizar, mas que deveria ter sido sancionado pelo árbitro João Matos).

No final, registo ainda para a expulsão do suplente Nélson Monte por protestos, aos 86′, e para algumas picardias entre jogadores. Resultado justo, pelo que ambas as equipas foram capazes de criar ao longo dos 90′.

Ficha

Estádio do Rio Ave Futebol Clube

Árbitro: João Matos (Viana do Castelo)

RIO AVE. Cássio; Lionn, Marcelo, Roderick e Rafa Soares; Petrovic e Krovinovic (Ronan 88′); Rúben Ribeiro, João Novais (Traoré 56′) e Gil Dias; Guedes (Gonçalo Paciência 73′).

Treinador: Luís Castro

VITÓRIA. Bruno Varela; Vasco Fernandes, Pedro Pinto, Fábio Cardoso e Nuno Pinto; Mikel e Costinha ; João Carvalho (Fábio Pacheco 90′), Nenê Bonilha (Zé Manuel 80′) e João Amaral (Nuno Santos 73′); Guedes.

Treinador: José Couceiro

Golos: nada a registar

Amarelos: Roderick (29′), Costinha (34′), Rafa (64′), Petrovic (81′), Fábio Cardoso (83′) e Gonçalo Paciência (90’+6′).

Vermelhos: Nélson Monte (86′).

Deixe uma resposta