Galp só aguarda “bandeira de partida” para iniciar furo de petróleo no Alentejo

Local C Últimas Últimas C

 

Carlos Silva, CEO da empresa, diz que consórcio tem tudo pronto e que perfuração demora entra 40 a 60 dias e só pode ser feita entre Abril e Junho

 

O presidente da Galp afirmou esta quinta-feira que o consórcio que a empresa integra com a Eni para fazer prospecção de petróleo na bacia alentejana cumpriu os requisitos do contrato de concessão e aguarda a “bandeira de partida” das autoridades.

“Tudo o que era para ser preparado e que exigia o contrato de concessão foi feito. Nós não temos nenhuma pressa especial, tudo o que tínhamos para fazer, dentro da concessão e daquilo que são as melhores práticas da indústria, está feito, portanto estamos tranquilos”, afirmou Carlos Gomes da Silva em declarações aos jornalistas à margem de um seminário em Matosinhos, no Porto.

Salientando que o avanço do furo – cuja execução deverá demorar entre 45 a 60 dias e apenas pode decorrer entre Abril e junho, devido às condições do mar – “já não depende” do consórcio, mas da obtenção das “respostas de licenciamento de concessão para todos os trabalhos que estavam exigidos e que foram entregues”, o responsável da Galp disse aguardar apenas “a bandeira de partida”.

Questionado sobre se a operação avançará de facto este ano, Gomes da Silva reiterou que a empresa não tem “nenhuma pressa especial”, mas foi advertindo que “as externalidades de qualquer economia são impactadas pelo tempo que se toma a tomar decisões”.

O consórcio liderado pela italiana Eni e que integra a petrolífera nacional tinha previsto realizar o furo de prospecção na bacia do Alentejo em 2016, mas acabou por suspender a operação para a primavera deste ano depois de a Direcção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marinhos (DGRM) ter prolongado a consulta pública.

Assegurando que o consórcio só avançará se tiver reunidas todas “as condições”, Carlos Gomes da Silva remata: “Fizemos tudo para as ter, agora já não depende de nós. Falta a bandeira de partida, mas tudo o que o consórcio tinha para entregar e todos os estudos a que estava obrigado estão feitos”.

Recentemente, o presidente executivo da Galp Energia tinha já dito que a operação de perfuração na bacia do Alentejo arrancaria “quando todas as condições” estivessem “reunidas”: “Será em 2017 se for compatível com as condições do mar. Se não for, faremos em 2018″, disse Carlos Gomes da Silva num encontro com jornalistas em Londres após o Capital Markets Day, em 21 de Fevereiro.

No passado dia 22, a Câmara Municipal de Odemira anunciou que iria avançar com uma providência cautelar para travar o furo do consórcio Eni/Galp no mar do Alentejo, exigindo a “rescisão do contrato para a costa de Aljezur” e “não permitindo que se avance com o primeiro furo de prospecção ao largo do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina”.

“Este investimento é susceptível de acrescer riscos ambientais, económicos e sociais, numa região que assenta a sua riqueza no turismo, nas pescas e na agricultura”, sustenta a autarquia presidida pelo socialista José Alberto Guerreiro (PS).

Lusa

Deixe uma resposta