Na escola: ciclo sobre guerras portuguesas

Opinião
Jose Vinagre

Jose Vinagre

Professor
Jose Vinagre

Latest posts by Jose Vinagre (see all)

Decorreu na Biblioteca da Escola Fragata do Tejo (Moita), em Março, um «Ciclo de Conversas sobre Guerras Portuguesas» alargado aos familiares dos nossos alunos e público em geral. A organização esteve a cargo do docente da disciplina de História/9º Ano e do ex-combatente António Fidalgo, com o apoio do docente de Ed. Visual, Rui Torres. O objectivo da actividade foi a abordagem de conteúdos programáticos de História, trazendo à escola testemunhos directos de quem esteve envolvido na «Guerra Colonial».


Foram os próprios alunos os mensageiros do pretendido junto dos seus Pais/EE, fazendo o levantamento de ex-combatentes seus familiares e conhecidos, chegando a nós cerca de cinquenta respostas (em mais de cem pedidos), das quais sete foram afirmativas no sentido de se disponibilizarem a falar sobre o tema. Com regularidade nos chegaram, através dos alunos ou de um bilhete manuscrito, comunicações de alguém que «não queria recordar o assunto», «não se lembrava», «não sabia falar» ou não se sentia à vontade para enfrentar a nossa plateia.
O evento contou com a participação/testemunho dos ex-combatentes Adelino Bento, António Fidalgo, António Caldeira, João Vasconcelos, Porfírio Miranda, de um exilado em Paris, Francisco e de um ex-combatente mutilado, António os quais com conhecimento de causa e muita pedagogia animaram dez sessões, onde passaram mais de duzentos alunos. Enquanto o evento decorreu esteve patente, no mesmo espaço da biblioteca, uma admirável maqueta de um aquartelamento, «chigunga», em Moçambique, construída por António Fidalgo, em torno da qual alunos e convidados experienciaram uma pedagogia autónoma e reciproca.
Nas diferentes sessões os nossos convidados, na presença de alunos, professores e alguns visitantes, refizeram o seu percurso millitar, recordaram missões, espaços geográficos e por vezes lhes aflorou a emoção quando tropeçavam na «aldeia atacada e toda destruída», na tortura até à morte ou no paradoxo da guerra: atacar e destruir uma aldeia, matar e adoptar, com pena, a criança sobrevivente. As operações militares e o dia-a-dia das tropas portuguesas em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau foram testemunhados directamente e as diferentes assistências tiveram oportunidade de ouvir na primeira pessoa e esclarecer-se sobre a vida num aquartelamento, a duração e intensidade de missões a pé ou de helicóptero, como eram atacados os aquartelamentos portugueses ou as posições dos guerrilheiros, que tipo de armamento se usava e como actuava a guerrilha, para que servia um aerograma, o episódio do «padre que se juntou à guerrilha», a opção consciente de quem se exilou em Paris para não colaborar numa «guerra injusta», etc.. Sobre o contexto internacional da nossa guerra ultramarina foram feitas referências a submarinos da URSS e telecomunicações, a armamento dos países de Leste e chinês, ao apoio que era dado aos guerrilheiros nos países limítrofes das colónias portuguesas, à utilização de armamento da NATO pelo exército português, e… à morte de uma guerrilheira vietnamita em Moçambique. Além das impressões dos diferentes relatos, impressionante foi a exposição real que António, vítima de uma mina, fez do seu corpo com estilhaços e uma perna artificial.
O principal registo que fica desta actividade aberta, foi o entusiasmo registado que despoletou interesses de outros colegas e alunos, no sentido de se memorar esse período da nossa História prolongando as visitações à maqueta, para ouvir as explicações de António Fidalgo.
A «Guerra Colonial» eclodiu em 1961 e prolongou-se até ao 25 de Abril de 1974, embora António tenha perdido a perna depois dessa data. Segundo dados do nosso manual, «Viva a História»/9, Porttugal enviou para as três frentes cerca de 800 000 soldados, registaram-se 8289 mortes, mais de 30 mil feridos, cerca de 140 000 com traumas psicológicos para toda a vida, morreram mais de 100 000 civis africanos e ainda hoje são milhares as pessoas que têm de saber lidar com as memórias desse conflito.
Resta-nos agradecer aos nossos convidados, alunos, colegas e restantes participantes.

Deixe uma resposta