Jerónimo reclama reforma inteira aos 60 anos de idade ou 40 de descontos

Local Últimas C

O secretário-geral do PCP reafirmou a proposta de reformas sem penalizações aos 60 anos de idade ou 40 anos de descontos para a Segurança Social, prometendo estar com o Governo PS a cada “passo adiante”.

Num encontro com trabalhadores com longas carreiras contributivas, na Cooperativa Cultural Popular Barreirense, no Barreiro, Jerónimo de Sousa homenageou o esforço de “centenas de milhares” de pessoas que “passaram uma vida inteira a trabalhar”.

Referindo-se à recente proposta do executivo socialista sobre o assunto, o líder comunista classificou-a de “insuficiente” e “recuada”, embora seja já “um ganho” num “processo que ainda agora começou”.

“Temos uma proposta, não abdicamos dela e vamos, naturalmente, tentar que muitos dos seus conteúdos e objetivos tenham também aceitação por parte do Governo do PS. Consideramos que esta proposta, mesmo recuada, insuficiente, não correspondendo a sentimentos e expectativas justas, só apareceu devido à persistência da nossa luta”, afirmou o secretário-geral do PCP.

Segundo Jerónimo de Sousa, o seu partido e os trabalhadores e o povo sabem “bem quanta importância tem um passo adiante e quanto efeito negativo tem um passo atrás”, portanto, “a todos os passos adiante que for possível dar com o Governo lá estará o PCP”, que não é “daqueles do tudo ou nada”.

“Há anos que o PCP se bate pelo direito à reforma sem penalizações para os trabalhadores com 40 anos ou mais de descontos para o sistema público da Segurança Social”, reforçou.

O líder comunista recordou que o Governo PSD/CDS-PP, “entre 2012 e 2014, impediu a antecipação da reforma” e, “em 2015, permitiu a antecipação da idade da reforma aos 60 anos e com 40 ou mais de descontos e a aplicação de fortíssimas penalizações, ou seja, 0,5% por cada mês face à idade da reforma (66,3 anos), mais 13,4% do fator de sustentabilidade”.

“Estas penalizações são, de facto, inaceitáveis. Em março de 2016, o PCP apresentou de novo o projeto de lei para garantir direito à pensão de reforma sem penalizações para os trabalhadores com pelo menos 40 anos de descontos. Foi rejeitada pelo PS, PSD e CDS. Apesar disso, não desistimos e, fruto da iniciativa e proposta do PCP e da luta dos trabalhadores, o Governo apresentou um documento na última semana visando a valorização das longas carreiras contributivas”, congratulou-se.

 

Deixe uma resposta