Fórum de teatro com grupos de todo o país já decorre em Palmela

FÓRUM. Grupos de todo o país estão em Palmela para dois dias de formação e convívio
Regional B Sociedade B Últimas B Últimas C

O público em geral pode assistir à peça “Alucinações”, da companhia Palco na Linha, de Lisboa, hoje às 22h e com entrada gratuita no Cine-Teatro São João. Fórum termina no domingo

 

O XVIII Fórum Permanente de Teatro arrancou em Palmela este sábado, 25, com cerca de 30 companhias de teatro e 250 participantes de todo o país reunidos para formação e momentos de convívio, no Cine-Teatro São João e na Escola Básica Hermenegildo Capelo.

Os grupos de teatro foram recebidos na sala de espectáculos de Palmela no sábado de manhã por Tiago Jorge, presidente da associação Teatro Sem Dono, de Pinhal Novo, que organiza o evento em conjunto com a Federação Portuguesa de Teatro e com o apoio da Câmara Municipal de Palmela.

Tânia Falcão, presidente da federação, começou por dar os parabéns a todos os participantes no fórum. “Todos nós estamos de parabéns, pois somos embaixadores da cultura, levando o teatro aos sítios mais pequenos e estranhos do nosso país”, disse.

Em nome do concelho de Palmela interveio Luís Calha, vereador da Cultura da Câmara Municipal, destacando o “trabalho notável de desenvolvimento da actividade teatral” levado a cabo pelas dez companhias de teatro amadoras e profissionais do concelho.

Realçando que o “teatro é um vector estratégico de desenvolvimento da cultura”, o vereador mostrou-se convicto de que o Fórum Permanente de Teatro, que a autarquia ajuda a organizar, “será certamente um momento de intercâmbio, de partilha de ideias, de experiências e de formação para todos”.

O evento aposta na formação de actores e técnicos, mas a ideia é também ajudar a reflectir “sobre o estado do teatro amador” em Portugal, segundo contou Tiago Jorge, presidente do Teatro Sem Dono, ao DIÁRIO DA REGIÃO. Assim, dirigentes de todos os grupos associados da Federação Portuguesa de Teatro vão estar reunidos num fórum de discussão, para “discutir o caminho da federação e o associativismo” segundo o tema “Teatro em espaços não convencionais”.

A componente formativa do fórum é dada ao longo de 14 painéis temáticos, cujos formadores são profissionais com experiência na área artística, desde actores a encenadores e técnicos. Entre os nomes mais conhecidos do público contam-se Io Appolonni, actriz; João Barros, cenógrafo no Teatro Politeama e Miguel Cruz, professor na Escola Superior de Teatro e Cinema.

A formação tem lugar, durante os dias de sábado e domingo, na Escola Básica Hermenegildo Capelo e no Cine-Teatro São João. Para o público em geral realiza-se a peça “Alucinações”, da companhia Palco na Linha, de Lisboa, no sábado, às 22h e com entrada gratuita.

Nesta edição, o Fórum Permanente de Teatro vai homenagear também o dramaturgo Tiago Rodrigues. O evento termina no domingo, 26.

O fórum, que se realiza no concelho de Palmela pela primeira vez, é um projecto da Federação Portuguesa de Teatro e realiza-se duas vezes por ano, procurando “congregar os grupos associados da federação para a formação e o convívio”.

A federação tem cerca de 80 companhias de teatro amador associadas, de norte a sul do país. “O teatro amador associativo é sem dúvida o melhor para a Cultura, no sentido em que tem a responsabilidade de poder levar a cultura a todos os locais do país, mesmo aos locais mais recônditos. Queremos mostrar que o teatro é para todos e que não pode haver distinção entre teatro amador e profissional”, afirmou Tânia Falcão, presidente da federação.

Deixe uma resposta