Major aposentado da Força Aérea lança Bíblia em Verso

Local Sociedade B Últimas C

Monteiro da Costa reside no Montijo e levou 10 anos a escrever a obra. Primeiro de seis volumes vai estar, esta sexta-feira, à venda em todas as livrarias do País. Lançamento oficial acontece apenas no domingo, na freguesia do Samouco

Tem 79 anos, é Major aposentado da Força Aérea, reside no Montijo e prepara-se para lançar uma obra inédita em Portugal. Manuel Joaquim Monteiro da Costa escreveu a Bíblia em verso. O primeiro volume da obra está, a partir desta sexta-feira, 17, à venda em todas as livrarias nacionais. Porém, só no domingo, 19, Monteiro da Costa irá proceder ao lançamento oficial do primeiro volume, pelas 16h00, no principal salão da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense, no Samouco.

Monteiro da Costa lembra como tudo começou, nesta sua estreia como autor, e até deixa um excerto do trabalho que tem a chancela da editora Verso de Kapa aos leitores do DIÁRIO DA REGIÃO.

– Como surgiu a ideia de escrever uma obra como a Bíblia em poesia ou verso?

– A ideia ocorreu-me durante um curso de Catequese de Adultos, que eu estava a orientar. Perguntei às pessoas a razão de não lerem a Bíblia e responderam-me que tinham muita dificuldade em entendê-la. Foi então que me decidi a escrevê-la em verso, mas para lhe conferir maior dignidade, optei pelos sonetos heróicos da lírica de Camões, pelos quais me apaixonei no liceu.

– Foi um desafio difícil? Qual a parte em que sentiu mais dificuldades para “transformar” em poesia?

– Foi realmente um desafio muito difícil, mas ao mesmo tempo muito gratificante. A obra foi escrita ao longo de 10 anos e irá ser editada em seis volumes. Alguns dos 73 livros da Bíblia foram muito difíceis de reescrever, mas os que provavelmente mais me deram cabo da cabeça, foram: O Livro do Levítico – que trata das leis, de cultos, de ritos, de sacrifícios, de recompensas e de castigos, etc; O Livro dos Números – que trata do recenseamento das tribos, da organização militar, da idolatria, da construção do Tabernáculo, da Arca da Aliança, etc; e O Livro do Apocalipse – devido à frequência de símbolos, de figuras e imagens incomuns e de números de cariz misterioso.

– Trata-se de uma obra original ou já existe alguma obra do género?

– Não tenho qualquer dúvida de que a nível de literatura nacional, ou melhor ainda, a nível de Lingua Portuguesa, não existe nada semelhante, escrito neste género literário. Trata-se de facto de uma Obra absolutamente original. Podem existir Obras neste domínio, escritas em poesia, mas nada que se aproxime desta dimensão. Repare: Não são dez, nem cem, nem mil sonetos, mas vários milhares deles, devidamente estruturados, mantendo irrepreensivelmente as regras que os caracterizam.

– Qual a aceitação da Igreja a este seu projecto?

– Naturalmente, a Igreja vê com bons olhos qualquer iniciativa que contribua para a Evangelização, como está patente em alguns apontamentos de figuras eclesiásticas, que constam da própria obra. De notar que a Bíblia é provavelmente o livro mais propagado no mundo, mas no que concerne à sua leitura, já não podemos dizer a mesma coisa, devido aos muitos géneros literários difíceis de interpretar. Uma das coisas importantes desta obra é a de, embora com a marca do autor, não trair o autor sagrado.

– Já havia lançado algum livro anteriormente ou esta é uma estreia?

– É uma estreia, embora já tenha publicado vários poemas meus de crítica social na antiga Gazeta do Montijo. Todavia, encontro-me já a trabalhar em mais três livros, um dos quais relacionado com a Problemática do Homem, enquanto ser tridimensional.

– Qual o objectivo que espera alcançar com o lançamento desta obra?

– Como Catequista, com ela pretendo levar as pessoas a descobrirem o tesouro maravilhoso que se encontra escondido na Bíblia e que consiste na própria Palavra com que Deus Se revela ao homem e que atinge o seu apogeu em Jesus Cristo. Para mim, isso é o mais importante da obra, na medida em que justifica todo o meu esforço e toda a minha dedicação.

Além disso, pretendo com esta melodia poética, espevitar a curiosidade das pessoas no sentido de um maior aprofundamento dos seus conhecimentos bíblicos, disponibilizando-lhes para o efeito em cada Livro, os respectivos capítulos e versículos, a fim de poderem explorar em detalhe a respectiva temática.

Digamos que cada poema ou conjunto de poemas revela ao leitor de forma sucinta, importantes passagens retiradas da Bíblia. Ao lê-los, cada pessoa, por mais elementar que seja o seu conhecimento, vai compreender o que está escrito, pois a simplicidade de expressão é um denominador comum ao longo de toda a Obra. Embora a Bíblia seja para todos, preocupei-me mais em chegar aos simples, ou seja àqueles que têm mais dificuldade de interpretação.

Excerto da Obra

A QUEDA ORIGINAL

(Gn 3)

Porém, a tentação não demorou

E Eva, seduzida pela serpente,

Do fruto proibido mastigou.

Adão provou também!… Foi conivente.

Algum tempo depois, tudo mudou…

Assim que os dois se olharam, frente a frente,

Descobrindo a nudez, alguém corou!…

Escondem-se de Deus, timidamente.

A culpa não tem dono, ao que parece…

A árvore da vida permanece,

Mas para Adão e Eva é mesmo o fim!…

Quebrado o juramento – a obediência –

Esgota-se de Deus a paciência

E ambos são expulsos do jardim!…

3 comments

  1. Parabéns ao Major Monteiro da Costa pela obra poética realizada, que tem um alcance social muito alargado. A beleza poética engrandece ainda mais a mensagem bíblica. Espero, porque a obra merece, uma boa aceitação não só a nível nacional, como nos outros países onde se fala a língua portuguesa.

  2. Congratulo-me muito pela ideia fantástica de se poder ler em verso uma obra tão imponente quanto é a Bíblia. Parabéns.

Deixe uma resposta