Pista da base do Montijo insuficiente para descolagem de aviões grandes

Descolagens são o problema, face à dimensão da pista
Local Regional Últimas C

Demétrio Alves apresentou problema, que lhe foi transmitido pela ANA, na reunião do Conselho Metropolitano de Lisboa. Basílio Horta e Nuno Canta acreditam que há solução

O tamanho da pista do Aeroporto do Montijo, alternativa ao de Lisboa, é insuficiente para a descolagem de alguns aviões de grande porte, disse o primeiro secretário da comissão executiva da Área Metropolitana de Lisboa (AML), Demétrio Alves, em reunião do Conselho Metropolitano, realizada esta quinta-feira.

Demétrio Alves destacou que a ANA lhe transmitiu esta preocupação acerca do tamanho da pista 01/19 do Montijo, que será usada como alternativa ao aeroporto Humberto Delgado, e que tem 2 147 metros de comprimento, o que “é insuficiente” para a descolagem “de alguns aviões de grande porte”.

“Para aterrar, quase todos os aviões aterram aqui. O problema é descolar. Não dá nem para o Boeing 737, nem para o Airbus 320, nem para o Airbus 322”, revelou, salientando que foi “referido como altamente provável a [necessidade de] extensão da pista do Montijo”.

“A pista tinha de ser aumentada em 350 metros”, afirmou, salientando que a pista começa e termina muito perto do estuário, pelo que, a ser aumentada, entraria pelo estuário.

O presidente do Conselho e presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, mostrou preocupação pela segurança do aeroporto nestas condições. “Estarmos aqui a ver que há uma pista em que há aviões que aterram mas não descolam, é capaz de ser um problema complicado. (…) Estarmos a gastar 200 e tal milhões de euros e depois o Boeing não aterra, o Airbus também não, é uma coisa insólita. Mas estou convencido que isso se resolve”, admitiu.

Já o presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, destacou que os pilotos que utilizam a base aérea do Montijo referem que o tamanho da pista não será um problema, mas admitiu que a opinião dos pilotos não é unânime. O autarca do Montijo salientou que não está preocupado com este assunto, até porque “a pista tem sido usada ao longo dos tempos para a aterragem e descolagem de aviões muito pesados, nomeadamente militares”, tendo até dado apoio à guerra do Iraque.

“A base foi sempre conquistada ao rio, com aterros sucessivos. E é possível fazer um aterro sem muito impacto ambiental, não apenas de 300 metros, mas de cerca de meio quilómetro, se for necessário”, adiantou, salientando que, caso seja ponderado o aumento da pista, ele deverá ocorrer “na direção do Barreiro”, defendeu.

Em meados de Fevereiro, o presidente da Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea (APPLA) disse à Lusa que a base aérea do Montijo não poderá ser alternativa ao aeroporto de Lisboa nos voos de longo curso, caso avance a desactivação de uma das duas pistas do Aeroporto Humberto Delgado, devido a fenómenos atmosféricos moderados a severos que ocorrem durante três a quatro meses por ano, nomeadamente ventos cruzados.

DIÁRIO DA REGIÃO com Lusa

2 comments

  1. O que é um A322 ???
    A família Airbus… A318, A319, A320, A321, A330, A340,A350 e A380. Há ainda os velhinhos A300 e A310, ( este último ainda operado pela SATA e curiosamente, um deles com matrícula CS-TGV ).

  2. O senhor Nuno Canta tem de explicar aos montijenses onde é que eles iriam apanhar o barco para Lisboa se a sua peregrina ideia fosse concretizada, aumentando a pista pela Baía do Gaio, Rosário em direção ao Terminal de Granéis Líquidos da LBC Tanquipor localizada no Lavradio, Barreiro.

Deixe uma resposta