Brinquedos portugueses em folha valem distinção a coleccionador do Pinhal Novo

Local Sociedade B Últimas B Últimas C

Hélder Máximo Martins, natural do Pinhal Novo e residente no Montijo, foi premiado em Londres. Tem sido reconhecido por todo o mundo pela divulgação de brinquedos lusos feitos em folha

Hélder Máximo Martins, natural do Pinhal Novo, concelho de Palmela, mas residente no Montijo, foi distinguido com o Diploma de Honra, em Londres, Inglaterra, pela Real Galeria ao representar Portugal com a apresentação de um trabalho sobre o brinquedo luso.

Militar, licenciado na área de saúde e antropólogo, Hélder Máximo Martins deu a conhecer o trabalho “Montijo: sua influência no pós-guerra com os desperdícios da latoaria da indústria da chacinaria, no brinquedo de folha” e acabou distinguido entre cerca de 20 participantes de outros tantos países.

Esta distinção junta-se a tantas outras que lhe têm sido atribuídas, um pouco por todo o mundo, as mais recentes conquistadas em Miami ( Estados Unidos) 2015 e 2016 e em Bogotá (Colômbia ) também no último ano. Foi também participante convidado da semana dos Museus no Brasil, em 2016, registando ainda participações por toda a Europa e uma outra em Melbourne, na Austrália.

Hélder Máximo Martins possui uma vasta colecção, composta por mais de 10 mil peças, tendo também participado recentemente numa mega exposição realizada na Cidade de Estremoz, à qual doou uma série de peças, para a construção de um atelier e casa do tempo sobre o brinquedo tradicional português. Ainda em solo luso, mostrou as suas peças no Convento da Madre de Deus, Barreiro, em Santarém e na Mealhada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os brinquedos de folha portugueses, resultam do aproveitamento dos desperdícios da indústria dos enlatados, da chacinaria do Montijo. No último ano, Hélder Máximo Martins realizou um trabalho de pesquisa com alunos do Instituto Politécnico de Setúbal sobre influência da indústria conserveira local, na fabricação de brinquedo, que culminou com uma exposição no Palácio Frixel.

A indústria montijense teve acrescida importância no fornecimento de desperdícios de folha, que era usada nas latas de grandes dimensões, de cinco e mais quilos, de banhas, enchidos e outros derivados de transformação de carnes.

Deixe uma resposta