Obras na urgência do hospital do Barreiro avançam este ano

Regional Últimas Últimas B

As urgências do hospital do Barreiro vão ser alvo de uma intervenção para dotar o espaço de melhores condições e reduzir os tempos de espera, num investimento de cerca de 860 mil euros, disse o secretário de estado da Saúde.

“Temos aqui uma intervenção que foi desenhada pelo Conselho de Administração. É uma obra importante em termos de funcionalidade técnica para os profissionais mas também para os utentes, separando circuitos e aumentando áreas de passagem e de estar dos doentes”, disse Manuel Delgado, secretário de estado da saúde.

O hospital do Barreiro, juntamente com o hospital do Montijo, integra o Centro Hospitalar Barreiro Montijo. O secretário de estado visitou hoje, 3, o serviço de urgência do hospital do Barreiro.

As obras no serviço de urgência, orçadas em 860 mil euros, vão aumentar a capacidade das salas de espera dos doentes que aguardam triagem e da urgência pediátrica, aumentar o espaço e número de gabinetes médicos e separar o atendimento dos doentes mais prioritários dos menos prioritários, com a criação de salas autónomas.

“É uma intervenção indispensável e vamos fazer este investimento de mais de 800 mil euros já aprovado pelo governo. Ao separarmos os circuitos vamos ter capacidade para responder a cada grupo de doentes. O hospital já realizou uma experiência e reduziram o tempo de espera e é este o caminho a seguir, para evitar tempos de espera excessivos”, defendeu.

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Barreiro Montijo, Pedro Lopes, disse  que as obras vão ocorrer no espaço de ambulatório do serviço de urgência, uma vez que o SO já foi alvo de uma intervenção.

“É a área onde são servidos mais doentes, mas tem limitações de infraestruturas. Queremos dar melhores condições de conforto e comodidade no serviço, criando salas próprias de espera em várias sectores, vamos autonomizar os fluxos de utentes mais prioritários e menos prioritários e dotar o espaço de melhores condições para os profissionais”, afirmou.

Pedro Lopes referiu que um dos grandes objectivos é conseguir reduzir os tempos de espera no serviço de urgência.

“A grande preocupação é reduzir o tempo de espera no serviço de urgência. Fizemos uma experiência e com os fluxos autonomizados reduzimos em 40% o tempo médio de espera. Com a obra que vamos realizar, acredito que podemos melhorar ainda mais os tempos de espera”, salientou.

Devido à necessidade de manter o serviço em funcionamento, as obras vão decorrer em duas fases. A primeira entre Julho e Setembro deste ano e a segunda fase entre Maio e Setembro de 2018.

O secretário de estado da Saúde disse ainda que estão previstos investimentos também no hospital do Litoral Alentejano, em Viseu e Aveiro.

“Existe um conjunto de hospitais que têm as urgências com problemas e estamos a actuar para melhora as condições de atendimento dos doentes. Temos que atacar o desconforto dos doentes mas o objectivo numa segunda fase é tirar os utentes das urgências, com um trabalho a nível dos cuidados de saúde primários”, concluiu.

Deixe uma resposta