Autarquia exige retoma de obras paradas há 6 anos em escola do Seixal

Local Últimas C

A Câmara Municipal do Seixal exigiu hoje, 20, que as obras na escola secundária João de Barros sejam retomadas, referindo que os trabalhos estão parados há seis anos com os alunos a terem aulas em contentores.

O presidente da autarquia, Joaquim Santos (CDU), visitou hoje a escola, acompanhado pelo director do Agrupamento de Escolas João de Barros, António Carvalho.

“A autarquia, juntamente com a comunidade educativa, tem vindo a alertar o Governo para a necessidade de concluir esta obra no menor espaço de tempo, uma vez que a mesma foi interrompida em 2011 e só agora estará para se adjudicar a sua retoma, o que esperamos que efectivamente ainda aconteça este ano”, afirmou o autarca.

Joaquim Santos referiu que a escola tem cerca de 1100 alunos, que têm aulas em contentores de obra e no meio de um estaleiro ao abandono.

“A visita de hoje vem demonstrar uma vez mais a enorme preocupação da Câmara Municipal do Seixal, com os cerca de 1100 alunos que aqui estudam sem condições para aprender. Também os professores e os auxiliares prestam o melhor serviço à comunidade em condições precárias”, salientou.

O autarca afirmou que a informação que tem é que concurso para a retoma da obra foi publicado em abril de 2016 e que estará agora em fase de adjudicação, faltando um despacho para autorizar a despesa.

“Lançamos o desafio para que esse despacho seja efectuado de forma célere para que a obra possa avançar. Esta intervenção ainda demorará cerca de 16 meses, pelo que é fundamental que a mesma possa começar o mais rápido possível, para que possamos ter a obra concluída ainda em 2018”, disse.

Durante a visita, António Carvalho, director do Agrupamento de Escolas João de Barros, disse ainda que “fomos informados pela tutela que está para publicação a portaria que autoriza a despesa para a realização da obra e portanto aguardamos essa publicação. Após a mesma, a Parque Escolar irá terminar os processos que tem pendentes e o Tribunal de Contas fará o seu papel também”.

“Enfim, todos os mecanismos administrativos associados à autorização de despesa serão despoletados e depois ficaremos a aguardar o início da obra. Não existe ainda uma data porque estes processos têm prazos que são flexíveis. Temos uma ideia que em princípio em Junho ou Julho será possível reiniciar a obra, mas certezas, com uma data concreta, não temos”, concluiu.

Deixe uma resposta