Utentes exigem mais à administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano

Local Regional Últimas C

A Coordenadora das Comissões de Utentes quer ver resolvidos problemas como os cerca de 30 mil que não têm médico de família e as listas de espera de quase dois anos para se fazer exames. Alcácer, Grândola, Sines, Santiago do Cacém e Odemira esperam e desesperam

A Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano exigiu a resolução de um conjunto de situações que afectam os utentes da região, em reunião realizada na última quinta-feira, 13, com o Conselho de Administração da ULSLA.

Entre as várias reivindicações apresentadas à administração da Unidade Local de Saúde do Litoral alentejano (ULSLA) estão o problema do número elevado de utentes sem médico de família e a reabertura do Serviço de Atendimento Permanente do concelho de Grândola.

“A Coordenadora das Comissões de Utentes exigiu a resolução dos seguintes problemas: no Litoral Alentejano existem cerca de 30 mil utentes sem médico de família; no concelho de Alcácer do Sal é necessário uma Ambulância de Suporte Imediato de Vida e uma Unidade Móvel de Saúde; é inadmissível o Serviço de Atendimento Permanente do Concelho de Grândola ainda estar encerrado”, pode ler-se na nota de Imprensa da Coordenadora das Comissões de Utentes, onde são apontadas ainda outras situações.

“No concelho de Odemira existe algumas extensões de saúde muito degradas; o Centro de Saúde de Santiago do Cacém continua a aguardar por um edifício novo; é inadmissível que o Centro de Saúde de Sines ainda não esteja aberto, passado mais de um ano do prazo previsto para a sua conclusão”, identificou a Coordenadora das Comissões de Utentes, que acusa a administração da ULSLA de ainda não ter conseguido “diminuir as listas de espera e os tempos de consulta”. Em relação a este último aspecto, dá como exemplos os “cerca de 1 600 utentes” que aguardam por cirurgia e os “cerca de dois anos de espera para exames de colonoscopia”.

A concluir, a Coordenadora das Comissões de Utentes considera que “é fundamental defender e garantir mais médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e outros profissionais de saúde para a região”.

5 comments

  1. e ainda por cima DESPEDIRAM UM MEDICO Dr. Vítor Rocha um medico que faz imensa falta já esta a decorrer um abaixo assinado junto da população pela reintegração do Dr. Vítor Rocha no hospital do litoral alentejano vamos todos passar esta informação

    1. LuÍs, toma nota, o que é a Comissão Coordenadora de Utentes? Qual é a sua revindicação principal nesta notícia ? E porquê?

      Poderia ir mais longe, mas cancei-me . Cancei-me de bradar ao ventos as verdades. Tu sabes melhor que eu, se o Dr Vitor Rocha tivesse autorizado, a Comissão Coordenadora teria mobilizado Grândola Alcácer, Santiago para manifestações com os mesmos de sempre de bandeiras na mão. E para quê ? Para dizer ao povo fomos nós, para sempre que fosse necessário, fazer revindicações como esta da abertura das 24 horas no Centro de Sáude eles puxarem dos galões
      Porque não se constituiram eles num movimento civico apartidário, movimentando os grandolenses, alcaçarenses e rerstantes para abaixo assinados e as mais diferentes de forma de manifestações para resoplver o problema?
      Para terminar, não teria havido tempo para falar no abaixo assinado a correr, ou, o jornal já não tinha espaço para a publicação ?

      Lembrem-te quem se movimentou no sentido do baixo assinado que corre por aí ? Para mim não sendo o ideal é o que existe, assinei-o e defendo-o e condeno e denuncio qualquer aproveitamento político. SOU CONTRA a CRIAÇÂO DE MÁRTIRES:
      Cumprimentos.

  2. Eu tb fui despedido. Depois de fazer mais de 20 bancos de urgência sozinho,fui chamado a Administração Hospital e disseram não precisavam mais meus serviços pq ,estava triste…….

Deixe uma resposta