A violência juvenil

Opinião
Rosa Duarte

Rosa Duarte

Mestre em Estudos Portugueses
Rosa Duarte

Latest posts by Rosa Duarte (see all)

As agressões físicas e psicológicas entre os jovens estão cada vez mais à vista de quem não as quer ignorar.

A família, a vizinhança, a escola, a sociedade, o país são corresponsáveis pela integração de cada ser humano quando nasce, em que de cada membro é espectável um papel socialmente distinto.

A instituição-escola é o laboratório por excelência da educação dos jovens porque detém vários agentes (teoricamente) preparados, na escolar contextualização organizada.

A família do jovem começa por cuidar dele e um dia escolhe uma primeira escola, pública ou privada, à partida na área da sua residência, numa pretensa atitude de confiança nela. Em cada escola, por sua vez, vai ser procurada uma aproximação da família para que a sua participação seja um contributo inestimável no seu papel educativo.

A escola é (ou deveria ser) assim um observatório individual de cada aluno nos diferentes espaços do recinto escolar, supostamente com um caráter sistemático e eficiente, para salvaguardar a sua segurança e bem-estar.

Contudo, os casos de violência escolar multiplicam-se. As condições ficam aquém…

De reverenciar os media pelo bom serviço que têm prestado à comunidade na informação sobre esta matéria. «E se fosse consigo?».

Mas a maior parte dos incidentes escolares nem chega a ser do domínio público; uns porque são resolvidos a nível interno, e ainda bem; outros porque não chegam a ser do conhecimento dos agentes educacionais ou pelo menos registados…

As «fights», como os alunos apelidam os incitamentos à agressão física e seu efetivo confronto, são encaradas por eles como um momento pontual de concentração alargada de alunos, sem consequências de maior. São ‘apenas’ «fights».

E, no entanto, a violência juvenil extravasa o recinto da escola, tornando-se ainda mais inacessível à ação dos responsáveis educativos.

Como conseguir detetar (todas) as situações de violência juvenil?

Não há outra forma: com um bom policiamento e a atenta e imediata intervenção de cada um de nós nos atos de violência juvenil mais ou mais explícita, seja em que espaço físico for, com recurso às autoridades oficiais, se for caso disso.

As ações de formação das forças de segurança nas escolas têm aumentado.

E não há dúvida que os jovens gostam de se sentir protegidos e orientados. Por vezes testam os mesmos protetores com atitudes de irreverência e insubmissão, mas nunca com o intuito claro de rejeitar a ajuda de quem os pode ajudar.

O confronto de emoções, de posições e de força física é próprio, segundo a psicologia humana. Os jovens têm pressa de crescer e ganhar autonomia.

E integrarem-se, é prioritário.

Mas também de saber distinguir, no seu comportamento diário, uma divergência pessoal de um ato de violência.

Um dia, na esperança, de erradicar qualquer tipo de violência entre os jovens, porque entre os adultos já não há vestígios.

 

Deixe uma resposta